Greco sucede a Buberl na presidência do Fórum pan-europeu de seguros

  • ECO Seguros
  • 11 Outubro 2020

Mario Greco, presidente executivo do grupo Zurich, vai exercer mandato de dois anos na liderança do Pan-European Insurance Forum (PEIF).

O secretariado do fórum pan-europeu da indústria seguradora, entidade que reúne os responsáveis executivos dos maiores grupos seguradores sediados na Europa, anunciou que o italiano Mario Greco assumiu a presidência da plataforma que prossegue os interesses do setor a nível político e regulatório na Europa.

Depois de saudar o colega Thomas Buberl, CEO do grupo AXA, que o antecedeu no cargo, Mario Greco referiu: “O papel das seguradoras” no apoio às pessoas quando mais precisam e na mitigação do risco “nunca esteve tão em foco como hoje”. “A pandemia Covid-19” e consequentes efeitos económicos globais “tiveram um impacto sísmico na sociedade e no panorama de risco global. Ao mesmo tempo, as alterações climáticas, a sustentabilidade e a rápida digitalização da sociedade e das economias continuam a ser alguns dos mais importantes desafios de longo prazo que a nossa indústria tem de enfrentar,” disse Greco em comunicado do PEIF.

O atual presidente do Fórum iniciou carreira profissional na área de consultoria de gestão na McKinsey, tendo acumulado dezenas de anos em postos de liderança no setor seguros. Depois de ocupar posição de CEO na Generali e cargos executivos na Allianz e em outras companhias, é atualmente Chief Executive Officer do grupo Zurich, função que assegura desde março de 2016.

O PEIF, entidade que desenvolve relação estreita com a Insurance Europe (federação europeia de associações nacionais do setor), é um fórum que integra os dirigentes das maiores seguradoras e resseguradores com sede na Europa, nomeadamente Aegon, Alllianz, Aviva, AXA, Generali, Mapfre, Munich Re, RSA, Swiss Re, UNIQA e Zurich. A principal função do PEIF é o intercâmbio de perspetivas em matérias (política e regulação) com impacto na indústria europeia de seguros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Greco sucede a Buberl na presidência do Fórum pan-europeu de seguros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião