Covid-19 obriga Galp a interromper de novo produção na refinaria de Matosinhos

Com o encerramento temporário da refinação em Matosinhos, para já apenas Sines se mantém operacional, mas Galp garante o abastecimento normal de combustíveis ao mercado nacional.

A Galp decidiu voltar a suspender temporariamente no passado sábado, 10 de outubro, a produção de combustíveis na sua refinaria de Matosinhos, confirmou fonte oficial da petrolífera ao ECO, depois da notícia avançada pelo Jornal de Negócios e pelo Público.

Esta é já a segunda vez este ano que a empresa decide encerrar parte da sua atividade de refinação. Entre abril e julho a unidade de combustíveis da refinaria de Matosinhos também esteve suspensa pela Galp face à impossibilidade de escoar a produção devido à pandemia. Esta semana a Galp comunicou à CMVM que as suas vendas de produtos petrolíferos da Galp 30% no terceiro trimestre do ano em relação ao período homólogo.

Voltam assim a estar em causa “condições no mercado nacional e internacional, em grande parte decorrentes dos impactos provocados pela pandemia de COVID-19, que forçaram a Galp a avançar com um ajustamento operacional planeado do seu sistema refinador”.

Para já, apenas a refinaria de Sines está operacional mas a Galp garante que “o abastecimento do mercado nacional manter-se-á assegurado, com um nível adequado de produtos para satisfazer as necessidades dos portugueses, das empresas e das unidades industriais, suportado pelos stocks existentes em Matosinhos e pela produção que se mantém na Refinaria de Sines”.

Fonte oficial da empresa garante que a suspensão temporária não terá qualquer impacto nos colaboradores da Galp afetos a essa atividade. “As demais atividades de produção de Óleos Base e de Aromáticos da Refinaria de Matosinhos continuarão com o seu funcionamento normal”, refere a mesma fonte, acrescentando que “a Galp monitoriza diariamente as condições de mercado e adequa os planos operacionais em função da sua evolução, garantindo a sustentabilidade das suas atividades e o abastecimento dos seus clientes”.

Também a refinaria da Galp em Sines esteve encerrada durante um mês, entre maio e junho deste ano, já que as medidas de confinamento e de paralisação da maioria das atividades económicas levaram a partir de março a uma queda da procura de produtos petrolíferos (e sobretudo de jet-fuel, utilizado na aviação), o que obrigou a diminuir a oferta, devido à capacidade limitada de armazenagem destes produtos.

(Notícia atualizada)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19 obriga Galp a interromper de novo produção na refinaria de Matosinhos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião