Vendas de produtos petrolíferos da Galp caíram 30% no 3.º trimestre

  • Lusa
  • 12 Outubro 2020

Vendas de produtos petrolíferos da Galp caíram 30% no terceiro trimestre do ano em relação ao período homólogo, avança a CMVM.

As vendas de produtos petrolíferos da Galp caíram 30% no terceiro trimestre do ano em relação ao período homólogo, de acordo com um comunicado da empresa enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

De acordo com o trading update divulgado esta segunda-feira pela Galp Energia, SGPS, SA, as vendas de gás natural a clientes diretos caíram 24% em relação ao período homólogo, mas subiram 11% relativamente ao segundo trimestre, enquanto as de eletricidade subiram 14% em relação ao terceiro trimestre do ano passado.

Apesar de as vendas diretas de produtos petrolíferos a clientes terem caído 30% quando comparadas com o período homólogo, a Galp Energia destaca que este indicador subiu 32% se for comparado com o trimestre anterior, refletindo “uma recuperação da procura em todos os segmentos, no seguimento do levantamento das medidas de confinamento que afetaram o primeiro semestre do ano”.

No documento divulgado esta segunda-feira, que tem como objetivo fornecer as condições macroeconómicas, operacionais e comerciais a que a Galp esteve sujeita durante o terceiro trimestre deste ano, bem como uma perspetiva da situação financeira a 30 de setembro de 2020, a empresa indica que a produção líquida (net entitlement) – após o pagamento de impostos em espécie aos países em que produz e que revertem integralmente para os resultados da Galp – atingiu os 120 mil barris/dia, uma subida de 8% relativamente ao período homólogo.

De acordo com o trading update desta segunda-feira no final de junho, a dívida líquida da Galp situava-se em 1,9 mil milhões, uma subida face aos 1,5 milhões registados em final de março. Já a perspetiva a 30 de setembro indica que este valor subirá para os 2,1 mil milhões.

A empresa lembra que as margens, os preços, a produção e outra informação referida neste documento deverão ser considerados provisórios e que os números finais serão divulgados a 26 de outubro, aquando da divulgação dos resultados trimestrais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vendas de produtos petrolíferos da Galp caíram 30% no 3.º trimestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião