Quem vai ganhar o Nobel da Economia?

Uma das figuras mais mencionadas nas previsões para próximo vencedor do Nobel da Economia é a economista Claudia Goldin que, se ganhar, será a terceira mulher laureada nesta categoria.

A lista dos laureados com o Nobel da Economia vai crescer esta segunda-feira, quando for conhecido o vencedor do prémio para 2020. As previsões sobre quem serão os contemplados com esta que é uma das mais altas distinções no campo multiplicam-se, depois de o tipo de vencedores se ter começado a diversificar. Entre os favoritos encontram-se personalidades como Claudia Goldin, que seria a terceira mulher a receber esta distinção, ou o canadiano Pierre Perron.

É de sublinhar que, na verdade, o nome oficial desta distinção é o prémio Banco da Suécia de Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel, já que foi a única categoria que não foi criada pelo próprio Nobel. Foi sim o banco central da Suécia o criador do prémio, em 1965. Apesar desta diferença, os vencedores são reconhecidos como laureados na mesma.

Não há lista de candidatos pública, sendo que os nomeados, apenas por convite, só são revelados 50 anos depois. A candidatura ao Prémio em Ciências Económicas é feita apenas por convite. Mas um dos indicadores que poderá ajudar a compor a lista de possíveis laureados é o Web of Science Group, da Clarivate Analytics. A empresa compila o número de citações da investigação dos economistas, para avaliar o reconhecimento destes entre os seus pares.

Este ano, o Web of Science Group destaca Claudia Goldin, pelas suas contribuições para a economia do trabalho, especialmente a análise das mulheres e as disparidades salariais de género. Se ganhar, Goldin junta-se a um grupo restrito, já que apenas duas mulheres já ganharam este prémio na área da Economia. Elinor Ostrom, em 2009, partilhando o prémio com Oliver E. Williamson, e Esther Duflo, no ano passado, em conjunto com outros dois economistas, Abhijit Banerjee e Michael Kremer.

Para além disso, refere ainda os norte-americanos David A. Dickey e Wayne A. Fuller pelo trabalho em testes estatísticos a raiz unitária na análise de uma serie temporal. Já o canadiano Pierre Perron, da Universidade de Boston, destaca-se também pelo trabalho nas séries temporais não estacionárias. O economista também trabalha na aplicação dos métodos desenvolvidos em áreas como alterações climáticas, mercados financeiros e macroeconomia.

A análise da Clarivate inclui ainda nos vencedores por número de citações um grupo de economistas dos Estados Unidos, composto por Steven T. Berry, James A. Levinsohn e Ariel Pakes, pelo modelo que desenharam para estimar a procura.

Outros nomes mencionados no meio como possíveis vencedores desta distinção são Joshua Angrist, um economista israelo-americano e professor de Economia no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), e Paul Milgrom, um economista norte-americano e professor na Universidade Stanford que se foca na teoria dos jogos, especialmente em leilão e estratégia de preços.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Quem vai ganhar o Nobel da Economia?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião