Accenture apresenta novo propósito e campanha para nova década

Desenvolvida pela agência global Droga5, a campanha "Let there be change" traz um novo propósito para a empresa, que quer estar focada em ajudar os clientes a criar valor para todos os stakeholders.

A Accenture acaba de apresentar o seu maior reposicionamento de marca da última década a nível global. E com ele lança também uma nova campanha que apresenta um “novo propósito para a empresa, concebido para inspirar as organizações a abraçarem a mudança, de modo a criar mais valor para benefício de todos”.

Assinada pela agência Droga5, parte integrante da Accenture Interactive, a campanha “Let there be change” vai implicar também que a empresa triplique os gastos anuais a nível global com media, para 90 milhões de dólares.

“As mudanças exponenciais na tecnologia estavam a transformar a maneira como trabalhávamos e vivíamos antes da COVID-19. Agora, o seu impacto elevou a mudança a um outro nível, sendo exigido às empresas, economias e indústrias que se reinventem”, afirma Julie Sweet, chief executive officer da Accenture. “Neste momento, há apenas uma escolha para emergir mais forte: abraçar a mudança e garantir que todos saem beneficiados – clientes, colaboradores, acionistas, parceiros e a sociedade em geral”, acrescenta.

O novo propósito da Accenture – “to deliver on the promise of the technology and human ingenuity”- irá agora guiar a estratégia da empresa, as prioridades e as oportunidades que cria para os seus mais de 500 mil colaboradores.

“Estamos a seguir o mesmo conselho que damos aos nossos clientes neste momento de mudanças aceleradas: atuar com grande agilidade e ousadia”, afirma Amy Fuller, chief marketing and communications officer da Accenture. “A nova campanha afasta-se do que é convencional, evidencia o nosso novo propósito e dá voz à questão atual e futura mais premente: como podemos ajudar os nossos clientes a adotarem a mudança, com o objetivo de melhorar os negócios, as comunidades e a vida das pessoas”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Accenture apresenta novo propósito e campanha para nova década

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião