Allianz negoceia aquisição na Austrália

  • ECO Seguros
  • 18 Outubro 2020

O grupo Allianz está em negociações para comprar a operação de seguros gerais do grupo bancário Westpac, avança a imprensa australiana.

A companhia alemã Allianz já estará a auditar o negócio (fase due diligence) e prepara-se para formalizar declaração de interesse para aquisição dos ativos da seguradora australiana Westpac, noticia o sítio eletrónico do jornal australiano Financial Review referindo que o processo se encontra em fase avançada para uma transação que poderá ultrapassar os 500 milhões de dólares norte-americanos.

A direção de desenvolvimento corporativo da Westpac acompanha o processo, contando com a assessoria de especialistas do banco JP Morgan, acrescentam as fontes. A unidade de seguros gerais do grupo Westpac Bank opera no mercado não Vida (seguros automóvel e habitação), tendo registado 600 milhões de dólares australianos (cerca de 363,4 milhões de euros ao câmbio atual) em receita de prémios em 2019.

A Allianz posiciona-se no terceiro lugar do ranking australiano de seguros gerais (P&C) e já havia indicado intenção de crescer na região Ásia Pacífico. Com cerca de 5 mil milhões de dólares de receitas e 7,8% de quota no mercado, tem à sua frente o Insurance Australia Group (IAG) e a Suncorp.

Pelo lado do grupo Westpac, sabe-se que a instituição australiana pretende recentrar atividade no negócio core (banca e gestão de ativos), admitindo não ter escala suficiente para assumir risco. Citado na imprensa, Peter King, CEO do grupo australiano, assumiu há algumas semanas que essas atividades – onde se incluem os seguros gerais e os seguros Vida, pensões e prestação de cuidados de saúde – teriam melhor desempenho em outras mãos. Por isso, a Westpac estaria aberta a ponderar as melhores opções para esses ativos.

O impacto da pandemia no mercado Ásia Pacífico aumentou as oportunidades de fusão e aquisição (M&A) na indústria de seguros e resseguro, sustenta um especialista de Hong Kong citado no site Insurance Asia News.

De acordo com números da Refinitiv, o número de operações M&A na região cresceu 18% este ano, com o montante global de transações anunciadas até agosto a cifrar-se em 6,6 mil milhões de dólares norte-americanos, sendo que o valor médio da transação rondou 124 milhões, contra 86 milhões de dólares um ano antes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Allianz negoceia aquisição na Austrália

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião