Como as seguradoras anteciparam a chegada de Barbara

  • ECO Seguros
  • 20 Outubro 2020

Grupo Ageas, Liberty e Fidelidade contactaram clientes e distribuidores antes da passagem da depressão dando conselhos e indicando soluções em caso de sinistros.

O Grupo Ageas, a Liberty e a Fidelidade são três companhias que anteciparam a chegada da depressão Bárbara e aproveitaram para comunicar com os segurados fora dos assuntos cobranças e regularização de sinistros, fornecendo conselhos preventivos das consequências da tempestade e indicações sobre como agir em caso de se registarem danos.

O grupo Ageas avisou que a tempestade Bárbara iria afetar os distritos de Lisboa, Setúbal, Santarém, Portalegre e Castelo Branco, iriam estar de aviso vermelho, entre as 12:00 e as 18:00 de terça-feira, devido a precipitação forte, aumento da intensidade do vento – com rajadas até 100 quilómetros por hora e até 130 quilómetros por hora nas terras altas – e agitação marítima, em especial na costa da região sul.

Além das recomendações da Proteção Civil, o Grupo Ageas Portugal recomendou ainda às populações locais:

  • Garantir a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais e retirada de inertes e outros objetos que possam ser arrastados ou criem obstáculos ao livre escoamento das águas;
  • Não atravessar zonas inundadas, de modo a precaver o arrastamento de pessoas ou viaturas para buracos no pavimento ou caixas de esgoto abertas;
  • Garantir uma adequada fixação de estruturas soltas, nomeadamente, andaimes, placards e outras estruturas suspensas, ter especial cuidado na circulação;
  • Se em permanência junto de áreas arborizadas, estar atento para a possibilidade de queda de ramos e árvores, em virtude de vento mais forte;
  • Ter especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas historicamente mais vulneráveis a galgamentos costeiros, evitando se possível a circulação e permanência nestes locais;
  • Estar atento às informações da meteorologia e às indicações da Proteção Civil e Forças de Segurança e, nos terrenos confinantes com rios e cursos de água – historicamente sujeitos a cheias e inundações -, retirar os animais e os equipamentos agrícolas.

Os cuidados deviam continuar pós-tempestade:

  • Não propagar rumores ou informações exageradas sobre a situação;
  • Se há feridos, reportar imediatamente aos serviços de emergência;
  • Permanecer em casa, caso esta não tenha sofrido danos;
  • Certificar de que os seus aparelhos elétricos estão secos antes de os ligar;
  • Colaborar com os seus vizinhos na reparação dos danos;
  • Em caso de necessidade, solicitar a assistência das brigadas de salvamento ou das autoridades mais próximas.

O Grupo Ageas Portugal informou ainda que as linhas de atendimento para participação de sinistros encontravam-se preparadas para receber o maior número de chamadas possível.

A Liberty disponibilizou uma linha exclusiva de atendimento aos clientes e parceiros para comunicação de ocorrências. O objetivo é facilitar o contacto e assegurar uma intervenção mais rápida e eficiente, que permita aos clientes regressarem à normalidade o mais rápido possível.

Como medidas de prevenção para evitar possíveis danos, a Liberty recomendou que os Clientes não utilizem o automóvel ou tenham a máxima precaução ao volante e fechem corretamente as portas e janelas das suas casas.

A seguradora Fidelidade avisou por sms os seus segurados para a passagem prevista da depressão Bárbara por Portugal Continental, afirmando estarem “a desenvolver os procedimentos necessários para conseguir apoiar da melhor forma, em caso de necessidade”. ​A rede de distribuidores foi alertada por canais próprios.

Fonte da companhia adiantou que caso se julgue necessário será ativado um número de emergência e deslocado um veículo para áreas mais afetadas para recolher informações junto dos seus clientes sobre sinistros verificados nessa região e acelerar o processo indemnizatório.

O sms da Fidelidade indica ainda que “a prevenção nestas situações é essencial, pelo que, para ajudar a minimizar, preventivamente, o impacto potencial da previsão de chuva e vento forte, recomendamos que se tomem medidas preventivas, para além das que já estão a ser divulgadas pelas autoridades competentes”,

Assim, a companhia recomendou:

  • Fechar todas as portas e janelas;
  • Retirar objetos soltos que se encontrem nas varandas;
  • Desobstruir os sistemas de escoamento das águas;
  • Não conduzir ou estacionar em zonas propícias a inundações e ter atenção aos lençóis de água que podem formar-se.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Como as seguradoras anteciparam a chegada de Barbara

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião