Covid-19: Supervisão britânica pede mais apoio para segurados vulneráveis

  • ECO Seguros
  • 20 Outubro 2020

Ao invés de contactarem clientes só para negociar prazos e condições mais flexíveis, as seguradoras devem providenciar apoio a quem falhe pagamento de prémios, recomenda supervisor britânico.

A Financial Conduct Authority (FCA), entidade de supervisão de seguros do Reino Unido, divulgou novo pacote de orientações dirigidas às companhias de seguros e mediadores pedindo aos operadores para melhorarem o apoio a clientes que enfrentam dificuldades financeiras por causa da pandemia da covid-19.

A nova proposta de conduta da FCA “estabelece que as empresas devem prestar apoio personalizado aos consumidores que já tiveram um adiamento de pagamento e àqueles que se encontram recentemente em dificuldades financeiras devido à alteração das circunstâncias relacionadas com o coronavírus”.

Reforçando as medidas que vigoram desde maio, no âmbito da pandemia e em benefício dos segurados, a Autoridade de Conduta Financeira define novas orientações, que irão vigorar a partir de 31 de outubro, colocando tónica num “apoio personalizado.” Ao invés de contactarem os clientes para lhes proporem condições mais flexíveis no cumprimento das obrigações de pagamento, as seguradoras e mediadores devem contactar os segurados no sentido de lhes prestar auxílio no caso de se encontrarem em dificuldades, dispõe o organismo agora liderado por Nikhil Rathi, Chief Executive da FCA desde 1 de outubro.

No que diz respeito a seguros, as recomendações incluem medidas tais como: reavaliação do perfil de risco do consumidor para ver se lhe poderiam ser oferecidos pagamentos mensais mais baixos; considerar a possibilidade de lhes serem oferecidos outros produtos que melhor satisfaçam as necessidades do consumidor; prestar ajuda para evitar a necessidade de cancelar a cobertura necessária.

Nos casos em que os clientes possuam contratos de crédito regulados (financiamento premium), a ajuda poderia incluir: permissão de o cliente não efetuar pagamentos ou serem reduzidos os pagamentos durante um período especificado; suspensão, redução, renúncia ou cancelamento de quaisquer outros juros ou encargos; concessão de um prazo razoável e a oportunidade de reembolsar a dívida, inclusive através do adiamento de pagamentos em atraso.

No pacote de recomendações (que se mantêm em consulta pública até final do dia 20 de outubro), a FCA sublinha ainda que as empresas de seguros devem comunicar claramente as diferentes opções disponíveis aos clientes, incluindo em websites e aplicações móveis, e encorajem os clientes a estabelecerem contactos em caso de dificuldades financeiras.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Supervisão britânica pede mais apoio para segurados vulneráveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião