BRANDS' ECO Bankinter, o banco certo como parceiro

  • BRANDS' ECO
  • 21 Outubro 2020

Paulo Rodrigues, Diretor da Banca Comercial e membro da Comissão Executiva do Bankinter Portugal, explica porque é que o Bankinter está focado em fazer o que é essencial à sua atividade.

Nunca, como nesta altura de pandemia, as famílias e as empresas precisaram tanto de bancos com condições e capacidade para as apoiar na procura de soluções que lhes permitam enfrentar com mais confiança esta crise, de que ninguém estava à espera.

De facto, parece que estamos no momento mais crítico de uma década repleta de desafios para o setor financeiro, em Portugal e no mundo: crise dos mercados, taxas de juro historicamente baixas, um legado problemático ao nível de algumas carteiras de crédito, transformação digital e concorrência das fintechs, mudanças frequentes nas estruturas acionistas, reestruturações e consolidação do mercado e pressão regulatória global, são apenas algumas das constantes de um diagnóstico que é por demais conhecido e repetido.

Este legado, acentuado por uma crise pandémica a que se pode juntar uma crise económica, tem obrigado muitos bancos a dispersar a sua atenção do que é essencial na sua atividade: o foco no cliente e na inovação.

Paulo Rodrigues, Diretor da Banca Comercial e membro da Comissão Executiva do Bankinter PortugalBankinter

Felizmente, existem instituições bancárias que, graças à sua saúde e solidez, estão aptas a dar um contributo decisivo para o suporte e recuperação da economia e em condições de se focarem na prestação do melhor serviço aos seus clientes.

Foi esta posição privilegiada que permitiu ao Bankinter apresentar, ainda antes da obrigatoriedade desse tipo de soluções, um conjunto de moratórias e de outras medidas que vieram dar um novo fôlego às famílias, justamente quando mais precisavam.

De facto, neste momento tão crítico, o Bankinter e a sua equipa têm o privilégio de poder estar focados em melhor servir os seus clientes e responder às necessidades das famílias e das empresas.

"O Bankinter está em condições de poder concentrar a sua capacidade e a energia da sua equipa em fazer aquilo para que os bancos foram criados: apoiar as famílias e empresas a concretizarem os seus sonhos e projetos, mesmo nos momentos mais difíceis”

Paulo Rodrigues

Diretor da Banca Comercial e membro da Comissão Executiva do Bankinter Portugal

A título de exemplo, e fazendo jus à caracterização de Banco Universal, refira-se o facto de melhorarmos continuamente a oferta de Crédito Habitação com o spread mais competitivo do mercado; da nossa Conta Mais Ordenado ter sido reconhecida como a melhor do País com o Prémio Cinco Estrelas pelo terceiro ano consecutivo; de termos lançado a primeira SIGI em Portugal, naquele que é mais um exemplo da diferenciação da nossa oferta para os clientes Private; ou de termos lançado recentemente o Família Bankinter Premier, que nos permite apoiar as necessidades específicas das várias gerações que formam um mesmo agregado familiar.

De igual modo, nunca a proximidade com o cliente, seja ela presencial ou digital, assumiu uma relevância tão grande, pois só assim é que um banco pode ficar a conhecer as necessidades concretas daqueles que serve, possibilitando a entrega das soluções mais ajustadas de apoio ao serviço prestado pelos gestores aos seus clientes.

O Bankinter tem introduzido novas ferramentas que lhe permitem servir os seus clientes, mesmo que à distância, e novas soluções digitais que melhoram a experiência de relacionamento com o banco. E isto sem descurar uma presença geográfica abrangente e capilar, de que são exemplo o reforço das equipas de profissionais dedicados ao segmento Premier e Private, com formação certificada EFPA (European Financial Planning Association), que os clientes do Bankinter têm à sua disposição em Portugal Continental e Ilhas.

Fruto da sua larga experiência enquanto grupo bancário com mais de 50 anos na Península Ibérica e de uma estrutura bem organizada em Portugal, o Bankinter está em condições de poder concentrar a sua capacidade e a energia da sua equipa em fazer aquilo para que os bancos foram criados: apoiar as famílias e empresas a concretizarem os seus sonhos e projetos, mesmo nos momentos mais difíceis, enquanto trabalham com um banco sólido e que pensa no futuro dos seus clientes de forma responsável e sustentável.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bankinter, o banco certo como parceiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião