Presidente da FPAK acredita na continuidade da F1 em Portugal

  • Jorge Girão
  • 26 Outubro 2020

"Estamos no bom caminho para fazermos parte do calendário da Fórmula 1", diz Ni Amorim, presidente da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting.

Ni Amorim, presidente da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting (FPAK), faz um balanço positivo da edição deste ano do Grande Prémio de Portugal, mostrando-se confiante quanto à continuidade da prova no nosso país.

A corrida que se realizou no passado fim de semana foi fruto de uma situação muito sui generis criada pela situação pandémica em que vivemos atualmente, tendo Portugal aproveitado a oportunidade para albergar um evento da categoria máxima 24 anos depois da sua última visita.

Apesar do curto período para organizar um evento tão rigorosa como um Grande Prémio de Fórmula 1, o presidente FPAK aponta que toda a organização esteve à altura do exigido, ainda que admita haver alguns aspetos a melhorar. “Desportivamente a prova foi um sucesso. Pilotos e equipas teceram largos elogios à pista e à organização, o que nos deixa extremamente satisfeitos. Não podemos esquecer que todo este ‘circo’ foi montado num curto espaço de tempo. O presidente da FIA, Jean Todt, também ficou muito bem impressionado com a pista, com as infraestruturas e com a envolvência”, diz Ni Amorim.

“Este Grande Prémio aconteceu num período difícil para todos com medidas muito específicas. Elogiado por muitos e criticado por tantos outros. Houve coisas que correram muito bem e outras que precisam ser melhoradas, mas isso é normal e faz parte de todo um processo”, acrescentou. “Saio de Portimão com o dever de missão cumprida e ciente que estamos no bom caminho para fazermos parte do calendário da Fórmula 1”, rematou.

A prova realizada do Autódromo Internacional do Algarve no passado fim de semana foi uma solução de recurso da FOM para garantir 17 provas na temporada deste ano, que foi profundamente afetada pela pandemia da Covid-19.

Contudo, apesar da edição deste ano do Grande Prémio de Portugal ser, originalmente, uma situação pontual, o responsável pelo órgão máximo do automobilismo português considera haver espaço para que a Fórmula 1 continue a visitar o nosso país. “Acredito que não foi uma participação esporádica, vamos ter de trilhar todo um caminho, é certo, mas o que se fez este fim de semana foi ímpar. Todos os que estiveram envolvidos na organização estão de parabéns, sem eles o sucesso não teria sido possível. O meu muito obrigado”, concluiu o presidente da FPAK.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidente da FPAK acredita na continuidade da F1 em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião