Cristina, a deputada que viabilizou o OE, tem mais 14 reivindicações

A ex-deputada do PAN vai abster-se na generalidade, mas mostra abertura para mudar o sentido de voto na votação final global do Orçamento do Estado, dependendo das propostas que forem aprovadas.

Depois de avanços e recuos nas negociações, a aprovação do Orçamento do Estado (OE) para 2021 parecia estar por um fio. Mas o anúncio da deputada não inscrita Cristina Rodrigues de que se irá abster na votação veio garantir matematicamente a viabilização do documento. A antiga deputada do PAN acredita que “não há razão para inviabilizar o OE” neste contexto de crise, ainda assim enviou ao Governo 14 reivindicações que espera ver respondidas na negociação especialidade.

“Estando ainda na discussão na especialidade e atendendo à excecionalidade provocada pela crise pandémica julgo que não há razão para inviabilizar o OE”, reitera Cristina Rodrigues ao ECO. A deputada que se desvinculou do PAN em junho aponta ainda que “há espaço ainda para a incorporação de outras propostas que tornem o documento mais transversal”.

Cristina Rodrigues sublinha algumas preocupações que a fizeram optar pela abstenção, nomeadamente nas áreas que “não são alvo de grande investimento e que, infelizmente, não vão ver neste orçamento (na redação atual) uma mudança”, como a cultura, a área ambiental e proteção dos animais e “também de algumas medidas de cariz social”.

Neste sentido, a deputada não inscrita fez chegar ao Governo cerca de 14 propostas para serem discutidas na especialidade. Entre elas, encontra-se a “previsão de se constituir um grupo de trabalho para estudar a possibilidade de implementar um projeto-piloto de rendimento básico incondicional”, uma “ferramenta muito útil no combate à pobreza e às desigualdades sociais”.

"Estando ainda na discussão na especialidade e atendendo à excecionalidade provocada pela crise pandémica julgo que não há razão para inviabilizar o OE.”

Cristina Rodrigues

Deputada não inscrita

Defende também a criação de casas de parto, “prática que é comum por exemplo no Reino Unido e que ganhou uma especial relevância no âmbito da pandemia por se mostrar ser um local mais seguro para as famílias”. Reivindica ainda um “sinal claro de apoio ao setor da cultura e dos seus profissionais”, bem como que a “questão dos animais que ainda se limita aos animais de companhia” vá “mais longe”.

O debate do Orçamento do Estado para 2021 está agendado para terça-feira e quarta-feira no Parlamento, sendo votado, na generalidade, no último dia, 28 de outubro, com aprovação já garantida. Vão votar contra o PSD (79 deputados), o CDS-PP (5), o Chega (1), o Iniciativa Liberal (1) e o Bloco de Esquerda (19), perfazendo um total de 105 deputados. Já a favor estarão os 108 deputados socialistas. Do lado da abstenção há o PCP (10), o PAN (3) e as deputadas não inscritas Cristina Rodrigues e Joacine Katar Moreira, sendo que o PEV (2) também se deverá abster.

Depois da abstenção, voto a favor é possibilidade

O sentido de voto de Cristina Rodrigues será o mesmo do que o PAN, mas a deputada garante que não foi condicionada por isso. “A decisão sobre o meu voto não foi tomada com base na decisão de qualquer outro partido ou deputado“, assegura. Quando se desvinculou do PAN, justificou a decisão com as divergências existentes, tendo também acusado a direção do partido de a silenciar e condicionar a sua “capacidade de trabalho”.

Na altura, criticou ainda a direção do partido de “distanciamento face a medidas estruturais”, como o Rendimento Básico Incondicional, medida que agora propõe para este Orçamento.

Quanto à votação final global, que acontecerá a 27 de novembro, a deputada não inscrita mostra abertura para que o sentido de voto mude, “dependendo da forma como decorrer a discussão na especialidade e as negociações com o Governo”. Consoante ainda o que for aprovado na especialidade, admite mesmo a possibilidade de votar favoravelmente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cristina, a deputada que viabilizou o OE, tem mais 14 reivindicações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião