Portugueses passam 129 minutos por dia nas redes sociais

  • Lusa
  • 27 Outubro 2020

Os portugueses passam, em média, 129 minutos por dia nas redes sociais, sendo Portugal o quinto país da UE com maior utilização destas plataformas, segundo o relatório do Centro Comum de Investigação

Os portugueses passam, em média, 129 minutos por dia nas redes sociais, sendo Portugal o quinto país da União Europeia (UE) com maior utilização destas plataformas e, por conseguinte, dos mais expostos a fenómenos como desinformação e propagação política.

Os dados constam de um relatório divulgado esta terça-feira pelo Centro Comum de Investigação (CCI), o serviço científico interno da Comissão Europeia, sobre “Tecnologia e democracia”, realizado por investigadores comunitários para “compreender a influência das tecnologias digitais no comportamento político e na tomada de decisões”.

Segundo o documento, no ano passado, “48% dos cidadãos da UE utilizavam redes de sociais todos os dias ou quase todos os dias”, sendo que “o tempo médio diário de utilização – através de qualquer dispositivo – variou entre os 129 minutos por dia em Portugal e os 64 minutos na Alemanha”.

“As redes sociais tornaram-se uma característica omnipresente da vida”, já que através dessas plataformas digitais “é possível saber tudo, desde eventos familiares e aventuras de amigos a desenvolvimentos políticos, apenas verificando os murais do Facebook, Instagram ou Twitter”, assinala o CCI no relatório.

No que toca ao peso das redes sociais na utilização digital dos cidadãos da UE, Portugal ocupava em janeiro de 2020 o quinto lugar entre os Estados-membros que mais utilizavam estas plataformas, antecedido por Malta, Chipre, Eslovénia e Dinamarca, segundo os dados apresentados no documento.

De acordo com a mesma informação, entre julho de 2019 e julho de 2020, a quase totalidade (98,5%) da utilização das redes sociais em toda a UE assentava sobre cinco plataformas, todas elas norte-americanas: Facebook (75,66%), Pinterest (8,78%), Twitter (7,61%), Instagram (4,47%) e YouTube (1,14%).

Analisando estes dados bem como as suas consequências, o CCI chegou à conclusão, neste relatório, que “há provas científicas de que as redes sociais mudam o comportamento político das pessoas no offline, o que inclui o incitamento a comportamentos perigosos, tais como crimes de ódio”.

Isto porque foram “identificados quatro pontos de pressão que emergem quando as pessoas e o ambiente online são postos em contacto sem grande controlo público ou governação democrática”, sendo eles economia da atenção, definições de escolha, algoritmo personalizado e as designadas fake news (notícias falsas).

No que toca às fake news, o CCI explica que as redes sociais reúnem as “condições perfeitas para a propagação da desinformação”, desde logo por ali haver “algoritmos que promovem conteúdos atraentes” e “forte predisposição das pessoas para se orientarem para notícias negativas, uma vez que a maioria das notícias falsas tende a evocar emoções negativas tais como medo, raiva e indignação”.

Relativamente à política, os peritos alertam que “os espaços online isolados podem funcionar como laboratórios que desenvolvem pontos de conversa extremistas”.

Reagindo a estas conclusões, a comissária europeia para a Inovação, Investigação, Cultura, Educação e Juventude, Mariya Gabriel, observa em comunicado que as redes sociais podem, realmente, ser usadas para “difundir mensagens polarizadoras e informação enganosa, o que pode dificultar a capacidade de tomar decisões políticas informadas”. Por isso, adianta que ser necessário “tomar as ações certas para salvaguardar um futuro participativo e democrático em benefício de todos os cidadãos europeus”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses passam 129 minutos por dia nas redes sociais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião