Mais de 75% dos alunos portugueses seguem eventos globais pelas redes sociais

Os estudantes portugueses destacaram-se entre os mais conscientes para assuntos globais, bem como para questões de saúde pública, como pandemias, no estudo da OCDE.

Os estudantes nacionais confiam no telemóvel para acompanhar a atualidade internacional. Mais de 75% dos alunos portugueses seguem os eventos globais pelas redes sociais, revela o sexto volume do estudo sobre a literacia dos estudantes da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

Portugal encontra-se assim entre os países em análise onde os estudantes mais recorrem às redes para saber o que se está a passar pelo mundo, um grupo que também inclui Hong Kong, Lituânia, Malta, Filipinas, Rússia, Escócia, Tailândia e Emirados Árabes Unidos, segundo o “Programme For International Student Assessment” (PISA) de 2018, que se debruça sobre os alunos de 15 anos.

Para além disso, os estudantes portugueses destacaram-se também entre os mais conscientes para assuntos globais, bem como para questões de saúde pública, como pandemias. Isto quando os dois tópicos com os quais os alunos inquiridos neste estudo estavam menos familiarizados eram questões de saúde bem como conflitos internacionais.

O estudo conclui ainda que, “independentemente da origem socioeconómica, os pais podem transmitir certos interesses e conhecimentos para os filhos e reforçar atitudes que os filhos desenvolvem através de atividades e experiências de aprendizagem na escola”. Portugal é um dos países onde existe uma maior associação entre os interesses dos pais e filhos, no que diz respeito a temas globais, bem como no interesse em aprender sobre outras culturas.

O PISA analisa também a capacidade dos estudantes avaliarem toda a informação a que têm acesso atualmente, tendo concluído que menos de um em cada dez alunos nos países da OCDE foi capaz de distinguir entre facto e opinião, com base em pistas implícitas relativas ao conteúdo ou fonte das informações.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais de 75% dos alunos portugueses seguem eventos globais pelas redes sociais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião