AHETA pede ao Governo “esforços” para manter F1 e MotoGP no Algarve

  • Lusa
  • 28 Outubro 2020

Fórmula 1 e MotoGP inserem-se num conjunto de meia dúzia de "eventos âncora que o Algarve precisa para esbater a sua maior fraqueza, a sazonalidade".

A Associação do Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA) apelou ao Governo para que desenvolva esforços para garantir a continuidade na região das provas dos mundiais de Fórmula 1 e MotoGP, importantes para combater a sazonalidade.

A associação dos hoteleiros algarvios considera, em comunicado, que os grandes prémios de automobilismo de Fórmula 1 e de motociclismo de MotoGP, “se inserem num conjunto de meia dúzia de eventos âncora que o Algarve precisa para esbater a sua maior fraqueza, a sazonalidade”.

Segundo a AHETA, eventos como as duas provas dos mundiais de automobilismo e de motociclismo, quando realizados em períodos de menor procura turística, “geram fluxos importantes para a região, funcionando também como meios privilegiados de promoção, atendendo à sua elevada cobertura mediática internacional”.

“O impacto na economia regional e nacional e o efeito multiplicador na vida e sociedade dos locais e regiões onde as provas decorrem é enorme, podendo atingir 5/6 vezes os custos de investimento”, sustenta a associação.

Face à importância dos eventos para a economia da região e do país, a AHETA apela ao Governo para que “de uma forma concertada com as entidades regionais e nacionais responsáveis, desenvolva os esforços e as ações necessários, tendo em vista assegurar a permanência das provas [dos mundiais] nos anos vindouros”.

“Faz sentido que as entidades competentes, designadamente o Governo, desenvolvam as ações tendentes a garantir a sua continuidade, tanto mais que o Algarve dispõe de infraestruturas e equipamentos capazes de responder eficazmente às solicitações da procura nesta matéria”, conclui a associação dos empresários hoteleiros algarvios.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

AHETA pede ao Governo “esforços” para manter F1 e MotoGP no Algarve

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião