Rui Rio diz que um novo estado de emergência não será como o de março: “Escusam de ter medo”

Apesar de considerar que um novo confinamento poderia ser necessário, Rui Rio aponta que tal não é possível devido à "economia nacional".

O presidente do PSD garantiu que, se o Estado de Emergência for decretado no país, não irá acontecer da mesma forma que em março e abril. Escusam de ter medo porque não será assim. Devia ser, mas infelizmente não será porque não pode ser, por força da economia nacional”, assegurou Rui Rio, à saída de uma reunião com o Governo.

O líder social-democrata afasta assim a possibilidade de voltar a um confinamento, apesar de afirmar que a situação é “mais grave” agora do que em março e abril. O Governo vai avaliar “aquilo que quer fazer e se para tal necessita do quadro legal”, explicou Rio, em declarações transmitidas pelas televisões.

Esclarece, assim, que um novo Estado de Emergência, se vier a ser decretado, se afigura como uma forma de enquadrar medidas mais restritivas. O Executivo convocou um Conselho de Ministros extraordinário para este sábado, onde irá anunciar mais medidas, estando esta sexta-feira a ouvir a opinião dos partidos sobre o tema.

Uma das hipóteses em cima da mesa para esta nova fase da pandemia é “não tratar o país como um todo”, mas sim ir monitorizando os municípios onde a situação é mais grave e aí ter “medidas especiais”, adiantou Rio. Para o líder social-democrata esta monitorização concelho a concelho “é uma medida inteligente e equilibrada”.

Quanto à posição perante as novas restrições, o líder do PSD reitera que não passam “carta-branca para tudo”, mas garante que o partido estará “sempre do lado da solução, nunca a obstaculizar”. Rio adiantou ainda que o partido vai formalizar nos próximos dias algumas sugestões de “nível intermédio”, de medidas para ajudar a combater o surto.

(Notícia atualizada pela última vez às 12h47)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rui Rio diz que um novo estado de emergência não será como o de março: “Escusam de ter medo”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião