Generali avança com despedimento coletivo

  • ECO Seguros
  • 4 Novembro 2020

Companhia avisou os colaboradores que vai eliminar funções duplicadas iniciando um processo de otimização e redimensionamento dos recursos humanos que começa por adesão voluntária dos colaboradores.

A Generali Seguros, dona da Tranquilidade e da Açoreana, avisou os 1.200 colaboradores que vai eliminar funções duplicadas, iniciando um processo de otimização e redimensionamento dos recursos humanos. Este processo vai arrancar com um processo de adesão voluntária dos colaboradores às propostas de rescisão.

Os colaboradores da nova Generali Portugal receberam uma carta assinada pelo Comité Executivo da Generali indicando que se iniciou um processo de otimização e redimensionamento dos recursos humanos cuja fase inicial assentará num processo de adesão voluntária aberto a todos os colaboradores que ao mesmo pretendam livremente aderir, embora sujeita à aprovação da Companhia.

Fonte oficial da Generali confirmou o envio da carta aos colaboradores que, após a fusão da Generali Vida, Generali Não Vida e Seguradoras Unidas (marcas Tranquilidade, Açoreana e LOGO), se transformou numa única sociedade do grupo italiano designada Generali Portugal.

A carta refere que “a junção das companhias origina uma duplicação de funções que importa endereçar, acrescentando que “o objetivo é, em simultâneo com a gestão dessa duplicação, adequar e redimensionar a empresa para responder aos desafios de solidez, competitividade e sustentabilidade financeira, preparando-a para enfrentar as atuais e futuras condições de mercado”.

Após a fusão a companhia passou a contar com cerca de 1.200 colaboradores e segundo foi possível apurar, não oficialmente, o processo de redução de pessoal será juridicamente tratado como despedimento coletivo. Não foi revelado quantos colaboradores serão dispensados, mas fonte da empresa afirmou que sindicatos e comissão de trabalhadores já estão informados sobre o processo.

A empresa garante que “a implementação adotada maximiza a proteção social aos colaboradores abrangidos por este processo, nomeadamente no acesso ao subsídio de desemprego”. A Generali escreve ainda que “o modelo incluirá, adicionalmente e entre outros aspetos, proteção na saúde, manutenção de condições favoráveis nos seguros pessoais e o acesso aos serviços de outplacement para apoio na reintegração no mercado de trabalho ou, dependendo das circunstâncias, na programação da passagem para uma situação de reforma ativa”.

Adesões voluntárias só até 10 de novembro

A carta revela ainda o período de adesão livre, de candidaturas voluntárias, terminará já no próximo dia 10 de novembro, que todos os pedidos serão analisados e os colaboradores serão posteriormente contactados com a indicação dos passos subsequentes. Numa 2.ª Fase, a cessação de contratos de trabalho será realizada por iniciativa da empresa sempre após análise das candidaturas voluntárias.

A Generali adianta ainda que “a data de cessação do contrato de trabalho de todos os colaboradores abrangidos poderá variar em função do que vier a ser acordado com os mesmos ou da antiguidade respetiva de cada colaborador”. O Comité Executivo termina a carta afirmando que “pretende que este processo seja realizado com transparência, sentido ético e garantindo o respeito e o tratamento digno de todas os colaboradores envolvidos”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Generali avança com despedimento coletivo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião