Teletrabalho vai “alterar significativamente” programas de benefícios de saúde para as empresas

Com mais teletrabalho, os benefícios de saúde oferecidos pelas empresas deverão ser adaptados. A pandemia trouxe um aumento nas despesas médicas, nomeadamente com procedimentos ligados à Covid-19.

A pandemia trouxe muitas mudanças tanto para as empresas como para os trabalhadores. Uma das mudanças, que parece ter vindo para ficar, é o trabalho remoto e flexível, que por sua vez irá “alterar significativamente os programas de benefícios de saúde para as empresas”, nota um estudo da Mercer Marsh Benefits.

O Health Trends 2020 dá conta dos impactos da pandemia na saúde, nomeadamente com mais de dois terços (68%) das seguradoras a prever um aumento do número das despesas relacionadas com diagnósticos, cuidados e tratamentos à Covid-19. As seguradoras admitem ainda aumentos com os custos dos planos de saúde oferecidos pelas empresas, continuando a trajetória de crescimento que já tem sido verificada.

Esta subida das despesas com os cuidados de saúde ocorre, “desta vez, devido a questões relacionadas com o trabalho remoto e o estilo de vida mais sedentário, que incluem doenças do foro mental e musculoesqueléticas, e as preocupações constantes com as implicações a longo prazo que a Covid-19 trará para a saúde mental e física”, defende Paulo Fradinho, Country Business Leader da Mercer Marsh Benefits em Portugal, citado em comunicado.

Desta forma, o leque e a forma como as empresas apresentam os benefícios de saúde aos colaboradores deverão mudar, para se adaptarem ao novo panorama. Alguns dos fatores que estarão em foco nos próximos tempos são os serviços digitais e online, bem como a área da saúde mental, nota o estudo.

A pandemia já trouxe uma maior aposta nas teleconsultas, que ganharam uma nova dimensão quando se diminuir as idas não essenciais aos hospitais. O número de seguradoras que oferecem consultas médicas virtuais aumentou 38% face a 2019, com 59% a afirmar que esta solução foi uma “parte ativa da abordagem atual do plano de gestão”. Existe também uma maior cobertura de iniciativas de saúde preventiva, como rastreios, nos planos das seguradoras.

Quanto à saúde mental, uma preocupação crescente numa altura em que, devido ao teletrabalho e às restrições devido à pandemia, as pessoas ficam mais isoladas e têm menos contacto social, esta área está ainda pouco contemplada nos planos. Apenas um terço das seguradoras oferece uma cobertura para aconselhamento psicológico online, enquanto 32% indica que não providenciam planos com cobertura de serviços de saúde mental.

O estudo, que contempla informação recolhida de planos de saúde de empresas distribuídos por 59 países, entre o início de junho e meados de julho de 2020, nota ainda que, em Portugal, a taxa projetada com custos médicos fixa-se nos 2.0% este ano, sendo que a previsão da taxa de inflação é de -0.2%.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Teletrabalho vai “alterar significativamente” programas de benefícios de saúde para as empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião