Folksam assume falha de dados que pode afetar um milhão de clientes

  • ECO Seguros
  • 8 Novembro 2020

A Folksam, uma das principais seguradoras suecas, reconheceu um erro acidental que resultou numa fuga de dados e colocou em risco a privacidade de um milhão de clientes.

A Folksam, companhia sueca com cerca de quatro milhões de segurados, admitiu um incidente que expôs informação de clientes. A ocorrência resultou de uma ação involuntária que conduziu à partilha indevida de dados pessoais com diversas empresas, entre as quais a rede Facebook, o motor de pesquisa Google, as fabricantes de software Microsoft e Adobe e a rede de perfis profissionais LinkedIn.

A falha foi descoberta durante uma auditoria e, segundo a companhia sueca, aconteceu quando a organização estava a preparar uma campanha para oferecer aos clientes soluções personalizadas. “Mas infelizmente, não o fizemos de forma correta”, disse Jens Wikstrom, responsável de Marketing e Vendas da Folksam, citado pela agência Bloomberg.

Numa nota informativa, a seguradora escandinava mais do que centenária afirma: “Compreendemos que a ocorrência cause preocupação entre os nossos clientes e levamos o assunto muito a sério”. No comunicado citado na imprensa, a Folksam assegura que já estancou a fuga de dados e que solicitou às tecnológicas para apagarem os dados libertados.

Entretanto, a seguradora já terá notificado as autoridades suecas (Data Inspectorate) sobre a violação de dados privados. Ainda, de acordo com a companhia sueca, até ao momento não foram reportados sinais de que a informação em causa tenha sido usada por terceiros.

O grupo sueco de seguros emprega cerca de 3500 pessoas e encerrou os primeiros nove meses de 2020 com volume de total de prémios que ascendeu a 44,6 mil milhões de coroas suecas (cerca de 4,34 mil milhões de euros), praticamente inalterado face ao consolidado em igual período de 2019.

O grupo opera duas subsidiárias (Folksam General e a Folksam Life), sendo que o Folksam General Group (atividade de seguros gerais desenvolvida através de filiais e associadas) contabilizou 10,99 mil milhões de coroas em prémios emitidos e aceites, em crescimento de 4,1% face a igual período de 2019 e um rácio combinado de 90,5% (95,4% um ano antes).

Já a Folksam Life, que opera ramos Vida e pensões através de duas outras marcas (KPA Pensionförsäkring e a Folksam LO Pension), realizou 33,6 mil milhões de coroas em prémios, em declínio de 1,3% face aos primeiros nove meses de 2019, revela o relatório trimestral divulgado pela instituição fundada em 1908.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Folksam assume falha de dados que pode afetar um milhão de clientes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião