Grupo RSA avalia proposta de compra por 7,9 mil milhões de euros

  • ECO Seguros
  • 10 Novembro 2020

A companhia londrina com raiz tricentenária na atividade seguradora confirmou que recebeu proposta de um consórcio disposto a formalizar oferta conjunta de aquisição do grupo britânico.

O RSA Insurance Group Plc confirmou abordagem conjunta da canadiana Intact Financial Corporation (Intact) e a dinamarquesa Tryg A/S (Tryg), associadas em consórcio, para uma possível oferta de aquisição da RSA, tendo como contrapartida pagamento em dinheiro, revela carta e outra comunicação distribuídas pela administração do grupo britânico, respetivamente, a acionistas e investidores.

Com base nos termos preliminares, a eventual transação seria realizada por um montante estimado de 7,1 mil milhões de libras esterlinas (cerca de 7,9 mil milhões de euros ao câmbio corrente), sendo que a Intact pagaria 3 mil milhões e a Tryg cerca de 4,2 mil milhões de libras, detalha a RSA. Em resultado da aquisição conjunta, a Intact ficaria com as operações da RSA (antiga Royal Sun & Alliance) no Canadá, Reino Unido e a divisão internacional. Por seu lado, a Tryg tomaria as atividades do grupo britânico na Suécia e na Noruega, enquanto as operações na Dinamarca, onde o negócio da RSA representa mil milhões de dólares de prémios anuais, passariam a ser detidas conjuntamente pela Tryg e a Intact.

De acordo com a informação divulgada pela RSA, a eventual transação fortaleceria a posição da Intact no mercado canadiano de P&C, reforçando também perspetivas da norte-americana em linhas comerciais e de especialidade nos mercados britânico e internacional.

No caso, a Tryg, além do reforço de quota nos mercados escandinavos, a companhia dinamarquesa poderia gerar sinergias estimadas em 900 milhões coroas dinamarquesas, em termos anualizados.

O anúncio da RSA não constitui garantia de que o processo resulte em acordo para uma oferta vinculativa de aquisição, adverte o grupo segurador britânico que tem a liderança executiva entregue a Stephen Hester, CEO nomeado em 2014. Mas, de acordo com a imprensa, as proponentes já iniciaram procedimentos de due diligence, e a administração da RSA inclina-se para recomendar a aceitação dos termos da potencial oferta de aquisição. Ainda, segundo informação da companhia alvo de potencial OPA, e à luz dos regulamentos, os interessados dispõem de um prazo, até 3 de dezembro, para formalizarem oferta firme.

Segundo números compilados pela Bloomberg, o valor global das operações de fusão e aquisição (MA) envolvendo companhias de seguros cresceu perto de 50% este ano, face a 2019, aproximando-se dos 130 mil milhões de dólares e a beneficiar dos 30 mil milhões envolvidos na combinação entre as corretoras e consultoras de risco Aon e a Willis Towers Watson (WTW).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Grupo RSA avalia proposta de compra por 7,9 mil milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião