INE confirma que preço das portagens não mexe em 2021

Taxa de variação homóloga do índice de preços no consumidor, excluindo os preços da habitação, fixou-se nos -0,17%. Estando abaixo de zero, taxas de portagem não mexem, tal como aconteceu este ano.

O preço das portagens vai manter-se inalterado no próximo ano, à semelhança do que já aconteceu este ano. De acordo com os dados finais da inflação de outubro, sem habitação, que servem de referência para a definição das novas taxas, os utilizadores das autoestradas, mas também das pontes sobre o Tejo vão continuar a suportar o mesmo custo que até agora.

Em outubro, segundo os dados finais divulgados esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística, a taxa de variação homóloga do índice de preços no consumidor, excluindo os preços da habitação, fixou-se nos -0,17%. Apesar de a taxa ser negativa, é assumido um valor zero.

É com base nesta taxa que a Brisa, tal como outras concessionárias, irão formular as propostas de atualização dos preços para entregarem ao Governo. Têm até dia 15 de novembro para o fazer.

Depois de entregues as propostas, o Executivo dará um parecer para que seja feita a atualização das portagens. Perante a “luz verde”, as novas tarifas (mesmo que sejam as mesmas), podem começar a ser cobradas aos condutores logo a partir das zero horas de 1 de janeiro do próximo ano.

A manutenção dos preços repete o que aconteceu este ano, depois de a taxa de inflação também ter ficado abaixo de zero no mês que serve de referência para o cálculo das novas taxas. E segue-se a vários anos de subida: aumentaram 0,98% em 2019, 1,42% em 2018, 0,84% em 2017 e 0,62% em 2016.

SCUT também não mexem. E ficam mais baratas para que utiliza mais

Tal como acontece na generalidade das autoestradas, também nas ex-SCUT as taxas de portagem vão manter-se. Contudo, neste caso o custo para os utilizadores deverá até baixar já que haverá descontos que até farão baixar os preços.

O Governo aprovou no mês passado a redução de 25% do valor da portagem para os veículos de classe 1 e 2, sendo este aplicado desde o oitavo dia de utilização num mês para todos os que utilizem identificador eletrónico.

Este desconto, que produz efeitos a partir de 1 de janeiro de 2021, vai incidir sobre determinados lanços ou sublanços de 10 vias: A22 – Algarve; A23 – IP; A23 – Beira Interior; A24 – Interior Norte; A25 – Beiras Litoral e Alta; A28 – Norte Litoral; A4 – Subconcessão AE transmontana; A4 – Túnel do Marão; A13 e A13-1 – Subconcessão do Pinhal Interior.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

INE confirma que preço das portagens não mexe em 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião