Rússia: Seguradoras lucram mais 26% até setembro, revela banco central

  • ECO Seguros
  • 11 Novembro 2020

Perto de 170 companhias operam um mercado que mantém taxa de penetração baixa. As cinco maiores controlam 50% dos prémios de seguro.

O mercado russo de seguros somou lucros equivalentes a cerca de 2,05 mil milhões de euros nos primeiros nove meses de 2020, em progressão de 26% face a igual período de 2019, indicam números apresentados pelo vice-presidente do banco central (Bank of Russia) num fórum realizado em Moscovo.

Na intervenção com que abriu o 6º Fórum “Insurance Market Leaders”, este ano dedicado ao tema “Distance Products and Digital Challenges”, Vladimir Chistyukhin, vice-presidente do Banco da Rússia, referiu que, com as restrições da pandemia, a atividade económica abrandou acentuadamente na primeira metade do ano e, durante o segundo trimestre, o mercado teve uma quebra de 12% no volume bruto de prémios (- 44 mil milhões de rublos). Mas, no final dos nove meses atingiu quase o nível do mesmo período de 2019, impulsionado pelo ramo Vida, cuja produção aumentou 16% em termos de variação homóloga.

O crescimento dos lucros do setor (+26%, para 187 mil milhões de rublos, ou mais de 2 mil milhões de euros ao câmbio corrente) resultou do declínio no número de eventos segurados (sinistros) e, por consequência, menores perdas em alguns dos segmentos da atividade seguradora, explicou o responsável russo adiantando que “esse efeito se prolongará pelo resto do ano”.

A principal fonte dos lucros foi a atividade de investimento, cujo retorno aumentou 84%, para os 244 mil milhões de rublos. Este desempenho compensou quebra de aproximadamente 50% na atividade seguradora, a qual gerou um resultado de 74 mil milhões de rublos, um declínio a refletir o resultado negativo dos seguros Vida, penalizado por incremento de responsabilidades e constituição de reservas. Por seu lado, o ramo não Vida manteve resultados praticamente estabilizados face aos primeiros nove meses de 2019, em torno dos 161 mil milhões de rublos, beneficiando de resultados positivos na generalidade das linhas de negócios.

Os dados apresentados pelo representante do banco central são considerados preliminares. De acordo com o site XPrimm, o fórum anual que reuniu cerca de 350 dirigentes do setor segurador é organizado por uma agência de informação de seguros (ASN) e um gabinete de análise empresarial (Analytical Center BusinessDrom).

Cinco maiores seguradoras detêm metade do mercado

No final do primeiro semestre de 2020, mais de 160 companhias (ou operadores) de seguro presentes no mercado russo somavam 3,6 biliões de rublos em ativos totais, ou cerca de 39,5 mil milhões de euros.

No mesmo período, o volume bruto de prémios apresentava diminuição de apenas 0,03%, face a gual período do ano anterior, para 739 mil milhões de rublos (8,1 mil milhões de euros correntes). Por efeito da pandemia e consequente declínio na ocorrência de eventos segurados, os gastos com sinistros desceram no período entre janeiro e junho.

Apesar do contexto de volatilidade e quebra de rentabilidade nos mercados financeiros internacionais na pimeira metade do ano, os lucros dos seguros russos ainda cresceram 21%, para 149,1 mil milhões de rublos (cerca de 1,6 mil milhões de euros), com o setor a apresentar um RoE de 33,7%, a melhor taxa de rentabilidade sobre capitais próprios dos últimos três anos e meio.

Segundo dados de fonte externa, as cinco maiores (em volume de prémios) representavam metade da produção seguradora na Rússia nos primeiros seis meses de 2020.

Fonte: Dados https://www.insur-info.ru/statistics/analytics/. Edição ECO Seguros (novembro2020)

 

De acordo com o Banco da Rússia, no relatório relativo a 2019 ( original em língua russa), o volume total de prémios de seguros manteve-se praticamente estabilizado face a 2018, nos 1,48 biliões de rublos (cerca de 16,25 mil milhões de euros ao câmbio corrente atual), com o número de contratos (apólices) a crescer perto de 3%, para os 207,8 milhões.

No fecho de 2019, o lucro global da indústria russa de seguros estabeleceu-se em 207,4 mil milhões de rublos (cerca de 2,28 mil milhões de euros ao câmbio atual), apontando progressão de 25,7% face ao ano anterior, indicam dados do banco central citados na imprensa.

Entre outros aspetos que caracterizam o mercado russo (cerca de 147 milhões de habitantes, segundo dados de 2019), o seguro de responsabilidade civil automóvel é obrigatório e os seguros de saúde são na generalidade voluntários, mas tal como em outros segmentos da organização social e económica alguns seguros têm regime de obrigatoriedade.

Dados da OCDE relativos a 2018 indicam uma taxa de penetração de seguros de 1,4% na Rússia, inalterada face aos dois anos anteriores e a comparar com os 5,8% de Portugal (a taxa de penetração traduz-se pelo volume de prémios de seguro direto/PIB).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rússia: Seguradoras lucram mais 26% até setembro, revela banco central

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião