João Leão: “Este não é um Orçamento para agradar ao Chega”

O ministro das Finanças atacou o PSD numa audição no Parlamento sobre o OE 2021, criticando indiretamente o acordo parlamentar dos social-democratas com o Chega nos Açores.

A política regional dos Açores também já chegou à discussão do Orçamento do Estado para 2021 (OE 2021). Na última audição da fase de especialidade, o ministro das Finanças atacou o PSD em resposta às críticas do deputado social-democrata Jorge Paulo Oliveira: “Este não é um Orçamento para agradar ao Chega”, disse João Leão, criticando indiretamente o acordo parlamentar nos Açores entre o PSD e o partido de extrema-direita.

Por contraste, Leão definiu este orçamento como sendo “progressista, anticíclico e de recuperação da economia”. O ministro das Finanças recorreu às palavras de Rui Rio para criticar a posição crítica do PSD, desafiando o partido a dizer onde cortaria: “Não pode fazer um discurso de que o Orçamento dá tudo a todos e depois vir pedir mais coisas“, disse João Leão esta quinta-feira no Parlamento.

Os social-democratas foram especialmente críticos da falta de medidas para as empresas, criticando o Governo por anunciar como algo benéfico para estas a manutenção dos impostos. Jorge Paulo Oliveira recorreu a uma metáfora com vinho para concluir que a proposta do OE 2021 é “palhete”, isto é, uma versão leve para agradar aos parceiros parlamentares que o viabilizam.

Mas o PSD não foi o único a rebaixar a capacidade de resposta orçamental. Momentos depois, o Bloco de Esquerda, que votou contra o OE 2021, disse que o OE “é poucochinho face à crise que se agiganta”. Mariana Mortágua foi particularmente crítica do que está previsto para o Serviço Nacional de Saúde (SNS), acusando o Governo de estar “conformado com a situação de que os médicos entram e saem do SNS” todos os anos. “A defesa do SNS não é um exercício de estatística“, disse a Leão, após este ter apresentado uma série de gráficos.

A deputada do BE questionou diretamente o ministro das Finanças sobre a razão que leva o Governo a rejeitar a proposta de exclusividade no SNS. Em resposta, Leão esclareceu que o Executivo mostrou abertura para discutir o tema em 2021, mas afastando a medida para já por não ser o “momento apropriado” para suscitar esta questão numa altura em que os profissionais do SNS estão sob pressão por causa da pandemia.

Nas suas intervenções, João Leão também revelou que as previsões do PIB (-8,5%) e do défice (-7,3% do PIB) para 2020 têm agora “uma maior confiança e precisão”, apesar de a evolução da pandemia ser sempre incerta. “Há riscos negativos e positivos perante este cenário macroeconómico, e que ficaram patentes nas últimas semanas, não só pela evolução dos casos, mas também com a referência à possibilidade de aparecimento, em breve, de vacinas”, explicou o governante.

Além disso, o ministro das Finanças confirmou que o IVAucher só irá para o terreno quando a economia estiver em recuperação e a pandemia controlada. Ou seja, se a situação se mantiver no primeiro trimestre do próximo ano não será nessa altura que haverá a devolução de 200 milhões de euros do IVA gasto em restauração, cultura e alojamento prevista nessa medida.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

João Leão: “Este não é um Orçamento para agradar ao Chega”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião