Das farmacêuticas à banca, até ao streaming. Quem ganha e perde com a vacina da Covid-19?

Investidores confiam que será possível, a médio prazo, controlar a pandemia, fazendo regressar a vida normal de famílias e empresas. Em bolsa, as reações (positivas e negativas) já se fazem sentir.

Desde o início da pandemia que as bolsas têm negociado ao sabor dos desenvolvimentos do combate ao vírus: caem quando as restrições ameaçam a economia e sobem quando se vislumbram melhorias. Com o consórcio da Pfizer e BioNTech a anunciar que a vacina experimental contra a Covid-19 tem mais de 90% de eficácia, superando largamente as expectativas de muitos especialistas, veio a euforia.

O resultado preliminar dos testes ao fármaco gerou confiança entre os investidores de que a disseminação generalizada da vacina poderá, a médio prazo, fazer regressar a vida normal e, consequentemente, a atividade das empresas. As bolsas europeias viveram o melhor dia desde março, enquanto Wall Street fixou novos máximos. As celebrações continuam, mas nem todas as ações reagem da mesma forma.

Há alguns setores a serem especialmente beneficiados, com o principal a ser especialmente óbvio: as farmacêuticas estão a valorizar, com a Pfizer a ganhar 8% após o anúncio e a contagiar outras empresas a trabalhar em vacinas, como a AstraZeneca, a Moderna ou a Johnson & Johnson. Em simultâneo, setores mais penalizados pela pandemia (cuja atividade poderá começar a recuperar) também seguem em alta. No entanto, há também perdedores, em especial entre os ligados à tecnologia.

Quem ganha com a vacina?

  • Turismo e lazer

“Em contraciclo com o que aconteceu em março, a potencial vacina poderia permitir um regresso ao “antigo normal” a médio prazo, o que iria beneficiar as empresas do setor do turismo, como a aviação, os cruzeiros e hotelaria, na medida em que iria haver menores restrições para viajar e voltaria a haver maior fluxo para os diversos destinos turísticos (e não só). Vimos diversas empresas do setor a valorizarem mais de 20%, como foi o caso de duas das maiores empresas de cruzeiros: Carnival Corp e a Royal Caribbean Cruises Ltd”, explica David Silva, analista da corretora Infinox.

  • Comércio a retalho

O retalho (excluindo o alimentar) foi também um dos setores penalizado pela pandemia. Apesar de as compras online terem ganho relevância em detrimento da lojas físicas de rua e dos centros comerciais, o consumo afundou. Além das empresas do setor retalhista, também empresas e fundos que detêm centros comerciais e escritórios estiveram em destaque na última e poderão beneficiar do avanço da vacina. Na bolsa de Lisboa, não há representantes diretos de nenhum destes dois setores.

  • Petrolíferas

Henrique Tomé, analista da XTB, aponta os fortes ganhos generalizados em termos geográficos devido ao efeito positivo da notícia. Em Portugal, “o PSI-20 acabou por seguir a tendência geral e registou valorizações e com especial atenção para as ações da Galp Energia, que acabou por registar uma performance superior ao índice”, diz, lembrando a valorização de 19% de ontem, que se lembrou na sessão de hoje. “O petróleo beneficia devido às esperanças de, num futuro próximo, os níveis da procurar por esta matéria-prima possam retomar aos níveis pré-pandemia“, explica.

  • Banca

Além da petrolífera, também o único representante da banca tem estado em foco no PSI-20. O BCP ganhou 16% na primeira sessão da semana, prosseguindo a tendência desde então, a acompanhar os ganhos da banca europeia. Porquê? “A vacina iria permitir a recuperação de diversos setores da economia, o que consequentemente iria permitir uma recuperação no número de desempregados e que iria levar uma menor pressão sobre o setor financeiro, reduzindo a possibilidade de incumprimento de diversas empresas e famílias (o que neste momento ainda é uma preocupação dos bancos no final do período das moratórias)”, afirma Silva.

Desde agosto que o BCP não valia tanto

E quem poderá perder?

  • Plataformas de streaming, vídeo e gaming

Em contraciclo com o que acontece desde março, o setor mais penalizado com o avanço da vacina é o tecnológico. “Não havendo uma necessidade de trabalhar a partir de casa e de novos confinamentos, as famílias e as empresas vão recorrer a menor ritmo a plataformas de conferências online (como a Zoom) e a plataformas de streaming (como a Netflix)“, diz o analista da Infinox, apontando ainda para a área de informática e gaming. “No entanto, acredito que este impacto no setor tecnológico seria algo de curto prazo, pois todos estes setores no meu ponto de vista continuam a ser investimentos de futuro”, sublinha. A Zoom valoriza 470% desde o início do ano, mas perde quase 25% esta semana.

  • Big tech

Apesar de o foco estar em cotadas como o Zoom — que toda a gente passou a conhecer durante a pandemia –, também as gigantes tecnológicas estão do lado dos perdedores. Não por deixarem de fazer parte das vidas das pessoas, mas sim por uma questão técnica: foram das mais beneficiadas desde o início da pandemia. “Os principais setores e empresas que se têm distinguido por serem os responsáveis em manter o mercado altista em ambiente de pandemia, acabaram por ser os principais prejudicados”, refere o analista da XTB, apontando para Facebook, Amazon e Tesla (as três acumulam perdas entre 5% e 8% desde o anúncio).

  • Ativos-refúgio

Fora das ações, mas em resultado dos movimentos nas bolsas, há ainda a destacar os ativos-refúgio, que — em reação à maior confiança no fim da crise — perdem interesse para os investidores, que ganham maior apetite pelo risco. “Assistimos a uma forte desvalorização dos ativos de refúgio como o ouro e iene japonês, uma vez que as perspetivas para o futuro acabam por se tornar mais animadoras e otimistas para os investidores”, acrescenta Tomé.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Das farmacêuticas à banca, até ao streaming. Quem ganha e perde com a vacina da Covid-19?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião