Top10 dos mais ricos dos seguros no Reino Unido

  • ECO Seguros
  • 22 Novembro 2020

Os 10 homens mais ricos na indústria de seguros do Reino Unido detêm, em conjunto, perto de 5,4 mil milhões de euros em património. Douw Steyn do BGL Group é o mais afortunado.

Num ano de desafios sem precedentes, marcado por catástrofes naturais e outras causadas pelo homem as contas bancárias dos magnatas dos seguros avolumaram-se ou mantiveram-se. Os três patrões mais endinheirados do setor segurador cabem entre os primeiros 180 da lista anual dos 1000 mais ricos que o diário The Times publica desde 1989 com referência a residentes no Reino Unido.

A Rich List completa de 2020 foi divulgada em maio pelo The Times on Sunday. Quando faltam poucas semanas para o termo do ano, a imprensa britânica especializada em seguros compilou a lista dos dez mais poderosos do setor.

TOP 10 Magnatas dos Seguros no Reino Unido

Fonte: Insurance Business Magazine. Tabela: ECOseguros Legenda: ▲aumento; ▼diminuição; ── estabilizado

No Top3 dos seguros, por exemplo, mantendo as posições no setor face a 2019 (coluna 1 da tabela), os detentores do segundo e terceiro lugares ainda subiram este ano no ranking geral dos 1000 mais ricos do Reino Unido (posição indicada na última coluna da tabela).

O valor agregado de 4825 milhões de libras esterlinas (cerca de 5,4 mil milhões de euros), ou seja a soma das fortunas dos dez multimilionários dos seguros não se aproxima nem da metade dos mais de 16 mil milhões de libras que vale património de cada um dos bilionários do Top3 da Rich List 2020 (#1. James Dyson e família; #2.Sri e Gopi Hinduja e família; #3. David e Simon Reuben).

No entanto, alguns dos mais poderosos (e filantropos) dos seguros devolveram à sociedade uma parte do seu dinheiro, doando parcela do património para o esforço financeiro de luta contra a pandemia. Outros optaram, num gesto de gratidão, por distribuir prémios monetários aos empregados.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Top10 dos mais ricos dos seguros no Reino Unido

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião