BE “mantém a esperança” que especialidade traga novidade substancial

  • Lusa
  • 23 Novembro 2020

Líder do BE lamenta não ter havido qualquer convergência com o PS uma vez que todas as propostas de alteração orçamentais apresentadas pelo BE já votadas na especialidade foram chumbadas.

A coordenadora do BE, Catarina Martins, lamentou que até ao momento o PS não tenha aprovado alterações bloquistas ao Orçamento do Estado, mas “mantém a esperança” de que as votações na especialidade “possam ainda trazer alguma novidade substancial”.

No final de uma reunião com organizações representantes do setor cultural, que decorreu esta tarde na Casa do Alentejo, em Lisboa, Catarina Martins foi questionada sobre o facto de, até ao momento, não ter havido qualquer convergência com o PS uma vez que todas as propostas de alteração orçamentais apresentadas pelo BE já votadas na especialidade foram chumbadas.

“Tem razão e achamos que é lamentável que assim seja”, apontou, registando, “com enorme preocupação, que o PS hoje tenha voltado a chumbar, com a abstenção da direita, a autonomia dos hospitais do SNS para fazerem contratações”.

Embora não possa “fazer mais do que registar que o PS continua a insistir em medidas que não respondem à situação”, a líder bloquista garantiu que “o BE mantém a esperança que as votações na especialidade possam ainda trazer alguma novidade substancial, o que até ao momento não se tem observado”.

“Primeiro, o BE propôs que houvesse medidas no orçamento que impedissem a vaga de despedimentos e o PS recusou. Depois propusemos que se estendesse o subsídio de desemprego para quem perdeu o emprego e o PS está a recusar. Propusemos, enfim, que houvesse uma prestação extraordinária para os trabalhadores que, sem rendimento, também não têm acesso ao subsídio de desemprego e o PS está também a recusar”, sintetizou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BE “mantém a esperança” que especialidade traga novidade substancial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião