Deputados aprovam suspensão do pagamento por conta para micro, pequenas e médias empresas

Foi aprovada a proposta do PCP que prevê a suspensão do pagamento por conta (PPC) ao longo do do próximo ano, com os votos favoráveis de todos os partidos, à exceção do PSD, que se absteve.

Foi aprovada a proposta do PCP que prevê a dispensa do pagamento por conta (PPC) ao longo do do próximo ano, para as cooperativas e para as micro, pequenas e médias empresas. Foram chumbadas, por outro lado, as propostas do PSD, Iniciativa Liberal e CDS-PP que previam outras soluções de alívio relativas a esse imposto.

Sem votos desfavoráveis e a abstenção do PSD, recebeu “luz verde” a proposta do PCP que prevê a dispensa do PPC durante todo o ano de 2021 para as cooperativas e micro, pequenas e médias empresas, independentemente de terem quebras ou não. As empresas podem pagar, de qualquer modo, o imposto “nos termos e nos prazos definidos por lei”, se assim entenderem.

Já a proposta do PSD foi chumbada. O PSD tinha sugerido, inicialmente, que se suspendesse o PPC “durante o período em que vigorarem as medidas restritivas ao funcionamento de atividades económicas” para todas as cooperativas, bem como micro, pequenas e médias empresas. O deputado Afonso Oliveira anunciou, contudo, que, face às dificuldades das contas públicas, o PSD alteraria essa proposta, de modo a que o alívio em causa só se aplicasse no primeiro trimestre de 2021 e apenas às empresas das dimensões mencionadas que registem quebras de, pelo menos, 25%. A proposta foi a votos esta tarde e chumbou, com os votos desfavoráveis do PS e a abstenção do PAN, do PCP e do BE.

Também foi reprovada esta terça-feira a proposta do Iniciativa Liberal — que suspendia o PPC para todos os sujeitos passivos de IRC em 2021 –, bem como a do CDS-PP — que previa que esse alívio fiscal abrangesse as empresas que não apresentem lucros tributáveis.

Na prática, o PPC é um adiantamento do IRC às Finanças por parte das empresas, calculado com base nos resultados do ano anterior e análogo à retenção na fonte no IRS. Num relatório conhecido esta terça-feira, a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) sublinhou que essa fórmula de cálculo do valor a adiantar poderá agora “revelar-se desadequada”, resultando em exigências penosas para as empresas e “reembolsos excessivos em 2022”, face ao cenário de incerteza causa pela pandemia. Os técnicos frisaram que essa fórmula pode “prejudicar desnecessariamente a liquidez das empresas num ano económico (2021) que se prevê pior do que o seguinte, e traduzindo-se em reembolsos excessivos em 2022″.

O secretário de Estado das Finanças avisou, contudo, que é muito importante preservar as bases tributárias, mesmo em anos de pandemia. “Só podemos não aumentar impostos e manter capacidade de resposta a pandemia se formos capazes de manter bases tributáveis“, alertou António Mendonça Mendes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Deputados aprovam suspensão do pagamento por conta para micro, pequenas e médias empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião