Estreante no Lloyd’s of London tem fundo soberano do Qatar e Caisse do Québec como acionistas

  • ECO Seguros
  • 3 Dezembro 2020

Fundada por antigo executivo do grupo Hiscox, a nova estrela do Lloyd’s tem a Enstar e a Stone Point como acionistas e vai operar um sindicato. Fundos do Qatar e do Québec municiam capital acionista.

A Inigo Limited, anunciada como prometedora estreante no segmento specialty do Lloyd’s of London, captou mais de 670 milhões de euros junto de importantes investidores, assegurando fôlego para iniciar atividade de subscrição (seguro e resseguro) no arranque de 2021.

Visto como o maior lançamento da última década no panorama britânico de seguros e um voto de confiança no futuro do Lloyd’s of London, o projeto Inigo amplia expectativas depois de atrair um leque importante de investidores. Trata-se de um consórcio onde se incluem o fundo soberano do Qatar (Qatar Investment Authority), a Caisse de dépôt et placement du Québec e ainda a J.C. Flowers & Co. e a Oak Hill Advisors.

Estes investidores subscreveram uma emissão de capital acionista, injetando cerca de 800 milhões de dólares (cerca de 674,3 milhões de euros) na nova estrela do hub londrino global de seguros e resseguro.

Howard Davies, presidente do NatWest Goup (antigo Royal Bank of Scotland), foi contratado para chairman da nova empresa. Nos seguros, sir Howard Davies exerceu funções de topo na antiga Prudential e no Phoenix Goup. O seu currículo inclui oito anos na direção da London School of Economics e outros seis como presidente da Financial Services Authority, entidade reguladora.

Poucos dias antes, a recém formada companhia acordou a aquisição da StarStone Underwriting Limited (SUL), uma managing agency até agora pertença da Enstar, da Stone Point Capital e da sociedade de capital de risco Dowling Capital. Nos termos da transação, as entidades vendedoras recebem 30 milhões de dólares sob a forma de uma participação no capital da Inigo, a promissora venture recém criada e liderada por Richard Watson (antigo executivo da Hiscox), a quem se juntaram dois antigos colegas (Stuart Brigdes e Russel Merrett).

Ainda, de acordo com a página eletrónica The Insurer, a start-up reforça talento e experiência recrutando George Stratts, antigo executivo da AIG, a quem será entregue o desenvolvimento da carteira de negócios dos EUA.

Apostando no desenvolvimento da Inigo que, em consequência da transação com a Enstar também assumirá a operação do Lloyd’s Syndicate 1301 (mas sem os direitos económicos), a Enstar e a Stone Point comprometeram-se a investir, respetivamente, até 27 milhões e 18 milhões de dólares na Inigo, sendo que a Enstar cede pessoal e transfere transitoriamente certos ativos para a estreante do Lloyds of London, explica um comunicado do grupo Enstar.

Confirmando-se que obtém autorização da Lloyd’s para iniciar atividade, a Inigo estará em condições de começar a operar no início de 2021, dois anos depois de Watson se ter retirado após 33 anos no grupo Hiscox, onde exerceu cargos de topo na Europa e nos EUA.

Municiada de capital e com a experiência da equipa que a dirige, a companhia terá papel relevante no Lloyd’s e muitas oportunidades no atual contexto de mercado, sustentam meios especializados.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estreante no Lloyd’s of London tem fundo soberano do Qatar e Caisse do Québec como acionistas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião