Nas notícias lá fora: Espanha, BCE e “Make Amazon Pay”

  • ECO
  • 4 Dezembro 2020

BCE avisa bancos para prepararem agravamento do malparado, enquanto Espanha pondera trabalhar quatro dias por semana. Campanha "Make Amazon Pay" ganha adeptos.

O Banco Central Europeu avisa bancos para prepararem o agravamento do crédito malparado devido ao impacto da pandemia. Por outro lado, Espanha estuda a possibilidade de implementar jornadas de trabalho de apenas quatro dias por semana. O Banco de Inglaterra “perde” 50 mil milhões de libras em notas, enquanto o cofundador da BioNTech SE, Ugur Sahin, juntou-se a lista das 500 pessoas mais ricas do mundo depois de o Reino Unido ter aprovado esta semana a vacina contra a Covid-19 que a empresa alemã desenvolveu com a Pfizer. A campanha “Make Amazon Pay” já angariou a assinatura de mais de 400 legisladores de 34 países.

Bloomberg

Cofundador da BioNTech na lista das 500 pessoas mais ricas

O cofundador da BioNTech SE, Ugur Sahin, juntou-se à lista das 500 pessoas mais ricas do mundo depois de o Reino Unido ter aprovado a vacina contra a Covid-19 que a empresa alemã desenvolveu com a Pfizer. As ações da BioNTech já subiram mais de 250% este ano. Sahin é agora a 493ª pessoa mais rica do planeta com um património líquido de 5,1 mil milhões de dólares (4,2 mil milhões de euros), de acordo com o Índice Bloomberg Billionaires. Leia a notícia completa na Bloomberg (acesso livre, conteúdo em inglês).

Financial Times

BCE avisa bancos para prepararem agravamento do malparado

O braço de supervisão bancária do Banco Central Europeu está a escrever aos maiores bancos da Zona Euro para avisar que o aumento do crédito malparado na região (devido ao impacto da pandemia para famílias e empresas) não está a ser suficientemente preparado. O anúncio foi feito pelo presidente Andrea Enria no Financial Times Global Banking Summit, que lembrou ainda que as medidas preventivas são condição para que o BCE volte a permitir a distribuição de dividendos aos acionistas dos bancos em 2021. Leia a notícia completa no Financial Times (acesso condicionado, conteúdo em inglês).

El Economista

Espanha estuda semana de trabalho de quatro dias

Numa altura em que Espanha prepara o aumento do salário mínimo nacional para mil euros, o ministério do trabalho espanhol está a estudar a possibilidade de reduzir a semana de trabalho para quatro dias. “Poderia, sem dúvida, favorecer a criação de empregos”, diz Pablo Iglesias, vice-presidente do Governo espanhol e líder do Podemos.

Leia a notícia completa no El Economista (acesso livre/conteúdo em espanhol).

Reuters

Mais de 400 deputados de 34 países apoiam a campanha “Make Amazon Pay”

Mais de 400 deputados de 34 países assinaram uma carta dirigida ao líder da Amazon, Jeff Bezos, a exigir que a gigante do e-commerce proporcione melhores condições de trabalho aos funcionários. A campanha “Make Amazon Pay” foi lançada a 27 de novembro por um grupo internacional de ativistas, aliados a alguns trabalhadores da Amazon, que juntou mais de 50 organizações. O documento foi também assinado pelas congressistas norte-americanas Ilhan Omar e Rashida Tlaib, pelo ex-líder do partido Trabalhista no Reino Unido Jeremy Corbyn, pela vice-presidente do Parlamento Europeu, Heidi Hautala, e é apoiado pelas organizações Progressive International e UNI Global Union. Leia a notícia completa na Reuters (acesso livre, conteúdo em inglês).

The Guardian

Banco de Inglaterra “perde” 50 mil milhões de libras em notas

O Banco de Inglaterra parece ter perdido o equivalente a 50 mil milhões de libras em notas, de acordo com o Public Accounts Committee (PAC). O grupo de parlamentares britânicos diz que este dinheiro “desapareceu” porque o banco central não manteve controlo suficiente sobre o uso de dinheiro no Reino Unido. É possível que o dinheiro esteja debaixo de colchões de famílias britânicas, que tenha saído do país ou mesmo que tenha sido usado na economia paralela. Leia a notícia completa no The Guardian (acesso livre, conteúdo em inglês).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nas notícias lá fora: Espanha, BCE e “Make Amazon Pay”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião