Sonae refinancia 150 milhões de euros para desempenho ambiental e social

  • Lusa
  • 10 Dezembro 2020

Estas operações incluem objetivos específicos, nomeadamente a promoção da presença de mais mulheres em cargos diretivos e a redução das emissões de CO2.

A Sonae anunciou, esta quinta-feira, o refinanciamento de 150 milhões de euros com condições vinculadas ao desempenho do grupo na promoção da presença de mais mulheres em posições de liderança e na redução das emissões de CO2.

Em comunicado, a Sonae refere que “concretizou um conjunto de operações de refinanciamento indexadas ao desempenho do grupo em indicadores ambientais, sociais e de governo corporativo (ESG), certificados por uma entidade externa independente, no montante de 150 milhões de euros”.

“Estes financiamentos de natureza ESG, com indicadores de igualdade de género, são pioneiros a nível europeu”, refere o grupo, adiantando que estas operações “incluem objetivos específicos em termos ambientais e sociais, estando parte do spread agora indexado ao desempenho da Sonae na promoção da presença de mais mulheres em cargos diretivos e na redução das emissões de CO2“.

Destaque para a primeira emissão obrigacionista ESG-linked, de 50 milhões de euros, que “foi integralmente organizada, montada e subscrita pelo BPI”, refere o banco, num outro comunicado.

“Trata-se de uma das primeiras operações de natureza ESG na Europa e a primeira na Península Ibérica associada a indicadores de performance específicos para a liderança no feminino”, adianta o grupo liderado por Cláudia Azevedo.

“A Sonae e o BPI, que integra o Grupo CaixaBank, lançaram uma emissão de obrigações com certificação ESG (Environmental, Social and Governance), em que uma parte da margem do financiamento se encontra indexada ao desempenho da Sonae em dois indicadores ESG: a promoção da presença de mais mulheres em cargos de direção e a redução das emissões de gases com efeito de estufa”, reforça a instituição financeira.

“O BPI, enquanto organizador e subscritor desta emissão, reforça o seu papel de financiador de referência das empresas portuguesas, através da adoção de soluções inovadoras e assentes em princípios de sustentabilidade”, acrescenta, salientando ainda que a Sonae “refinanciou, ainda, dois empréstimos concedidos pelo CaixaBank, num montante total de 100 milhões de euros, e converteu-os em créditos sustentáveis, incorporando os mesmos indicadores ESG utilizados na operação de 50 milhões de euros agora anunciada”, adianta o banco.

Por sua vez, a Sonae salienta que estas operações permitiram continuar a reforçar a posição de liquidez do grupo e aumentar a maturidade média da sua dívida.

“Desde o início do ano já foram refinanciados mais de 830 milhões de euros em empréstimos de longo prazo”, salienta a dona da cadeia de hipermercados Continente.

“Na Sonae, estamos seriamente comprometidos em criar valor social e ambiental, para além de valor económico. Sempre acreditámos que estes objetivos não eram incompatíveis. Incorporar metas que promovem a igualdade de género e a neutralidade carbónica na gestão financeira do grupo é mais uma forma de reforçar o nosso compromisso em prol de um futuro mais igualitário e ecológico”, afirma o administrador financeiro (CFO) da Sonae, João Dolores, citado no comunicado.

Recentemente, a Sonae anunciou a revisão do seu Plano para a Igualdade de Género, “com metas mais ambiciosas para a liderança no feminino, bem como o compromisso da neutralidade carbónica em 2040, dez anos antes da meta definida pela União Europeia”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sonae refinancia 150 milhões de euros para desempenho ambiental e social

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião