BRANDS' ECOSEGUROS O caminho para o futuro é digital

  • ECOSeguros + Liberty Seguros
  • 15 Dezembro 2020

Jesús Nuñez, Director Executivo de Vendas e Distribuição da Liberty na Europa, fala da "grande transformação tecnológica" iniciada pela seguradora e que inclui os seus parceiros, clientes e agentes.

Na Liberty beneficiamos, hoje, da unificação das nossas operações na Europa – em Portugal, em Espanha, na Irlanda e na Irlanda do Norte – sob uma única entidade multinacional, que nos torna mais fortes e possibilita a partilha das melhores práticas e de informações estratégicas de cada mercado para podermos tomar as melhores decisões. Sempre soubemos tirar partido dos nossos canais de distribuição de forma eficiente e transversal, mas a nossa indústria tem experienciado uma evolução no seu modelo de negócio, derivada sobretudo da transição digital da economia.

Jésus Núñez, Director Executivo de Vendas e Distribuição da Liberty na Europa

Iniciámos há cerca de 20 meses uma grande transformação tecnológica, que veio alterar a maneira como olhamos para os serviços que prestamos e para os produtos que vendemos e que veio alterar todo o nosso modelo de negócio.

Estamos atualmente a criar um ecossistema digital na cloud pública e vamos disponibilizá-lo aos nossos parceiros de negócio, aos nossos agentes e aos nossos clientes. É uma mudança totalmente disruptiva no setor e muito desafiante, mas representa um mundo de oportunidades, se tivermos a agilidade para moldarmos e inovarmos o nosso negócio ao ritmo a que a transição digital e a evolução dos padrões de consumo nos exigem. Vamos dotar de modularidade a oferta aos clientes, apresentando-lhes produtos inteiramente personalizáveis, flexíveis e adaptados às suas reais necessidades e procura.

"É imperativo dotar os nossos agentes de meios tecnológicos para que cheguem aos clientes que já têm e a outros que venham a ter.”

Jesús Núñez

Diretor Executivo Vendas e Distribuição da Liberty na Europa

Também os nossos parceiros de negócio e agentes, que são um canal chave para a Liberty, irão passar a beneficiar deste serviço totalmente virtual, para poderem continuar a oferecer um serviço de excelência, mas de uma forma muito mais simplificada e ajustada ao que os clientes precisam. Os nossos mediadores representam 60% do negócio, que cresceu 4,1% no ano passado. Por isso, queremos continuar a ter o compromisso de uma relação de escuta estreita, transparente e ativa, a fim de antecipar as suas necessidades. Queremos ser uma referência na sua transformação tecnológica, acompanhando-os na adaptação dos seus negócios a este ambiente digital. É imperativo dotar os nossos agentes de meios tecnológicos para que cheguem aos clientes que já têm e a outros que venham a ter. É impreterível tornar real o valor que praticamos na Liberty: keep it simple – tornar os processos mais simples e eficazes.

Tudo isto fará com que fiquemos mais próximos do que nunca dos nossos clientes, parceiros e agentes. Não existem dois lados: seguradoras e mediadores; o nosso trabalho é conjunto e o caminho é só um: pela via da tecnologia.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O caminho para o futuro é digital

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião