Condução autónoma enfrenta teste difícil no ártico finlandês

  • ECO Seguros
  • 16 Dezembro 2020

O desafio da Sensible 4, especialista em tecnologia para plataformas de condução autónoma, é recolha dados e teste ao desempenho em condições adversas de novo kit destinado à indústria automóvel.

Uma equipa de engenheiros da Sensible 4 viajou para região de Muonio, no ártico gelado da Finlândia, para duas de semanas de testes de sistemas de condução autónoma, sob condições atmosféricas adversas de frio e nevadas, quase sem visibilidade.

O objetivo da missão encetada pela especialista em tecnologia para plataformas de condução autónoma, é recolher dados em condições críticas e testar o desempenho de um novo kit de software em condições meteorológicas tão difíceis como as que se encontram pelo ártico finlandês.

O software que equipa o veículo de teste – cuja marca automóvel a empresa ainda não revelou – tem por base a primeira versão comercial do “Dawn”, um kit de condução autónoma desenvolvido pela tech finlandesa.

Em comunicado, a empresa finlandesa explica que o “Dawn” é a sua solução de software de nível 4 que assegura condução autónoma sem a necessidade de um motorista de prevenção a bordo. O kit foi construído para funcionar nos minibuses que operam em curtas ligações (shuttles) e agora cumpre teste em condições extremas. Quando começar a ser vendido (lançamento comercial está previsto para 2022), o Dawn “será o primeiro software comercial do mundo a garantir condução autónoma em todos os ambientes, quaisquer sejam as condições meteorológicas”, antecipa a empresa.

“O mau tempo é um dos maiores desafios que se colocam aos veículos autónomos. A nossa foça reside na capacidade de lidar com variações das condições meteorológicas e se o software funciona nas difíceis condições da Finlândia, também terá sucesso na ensolarada Califórnia”, afirma Tommi Rimpilaïnen, COO da Sensible 4, citado no comunicado da empresa.

A primeira vez que a Sensible 4 realizou testes de inverno na Lapónia finlandesa foi em 2018, com o seu primeiro veículo de testes, um pequeno Renault Twizy, batizado “Juto”. A empresa afirma que, desde então, contribuiu para a automação de numerosos veículos de diferentes fabricantes.

Entretanto, enquanto se aguardam desenvolvimentos sobre os testes na região de Muoni, os quais decorrem até 20 de dezembro, a Sensible 4 anunciou a sua participação num projeto norueguês de nova mobilidade urbana, na região de Oslo que a empresa finlandesa integra em conjunto com a Holo, empresa de mobilidade urbana, e a Toyota Motor Europe.

No quadro de um programa do sistema de transportes públicos de Oslo, a Ruter (operadora multimodal da região metropolitana da cidade) vai iniciar um ano de testes com veículos autónomos utilizando, para o efeito, uma van (modelo Toyota Proace), com capacidade para seis passageiros e equipada com uma rampa de acesso para cadeiras de rodas. A Sensible 4 participa com a sua plataforma tecnológica navegação autónoma.

A implementação do projeto-piloto supõe um período inicial de realização de percursos preliminares para recolha de dados de mapeamento, seguidos de 500 horas pelas rotas estabelecidas, mas nesta fase ainda sem passageiros. Os residentes em Oslo integram o programa e poderão viajar nos veículos autónomos ainda durante o primeiro trimestre de 2021.

O objetivo do projeto-piloto promovido pela Ruter é avaliar a introdução progressiva de veículos de condução autónoma no sistema de transportes públicos que servem a região de Oslo.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Condução autónoma enfrenta teste difícil no ártico finlandês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião