Empresas do turismo recebem 2,5 mil milhões de euros até final do ano

  • Lusa
  • 16 Dezembro 2020

A secretária de Estado do Turismo indicou ainda que a linha de apoio à tesouraria do Turismo de Portugal já aprovou 55,6 milhões de euros.

A secretária de Estado do Turismo adiantou, esta quarta-feira, que dos 22 mil milhões de euros disponibilizados para apoio à manutenção do emprego e capacidade das empresas até final do ano, 2,5 mil milhões são direcionados para o setor do turismo.

Rita Marques falava perante os deputados da Comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação, na Assembleia da República, numa audição a pedido do CDS-PP, quando explicou que, expurgando moratórias de natureza fiscal e bancária, os 22 mil milhões de euros disponibilizados para as empresas até 31 de dezembro passam a 12 mil milhões de euros e, desses, “2,5 mil milhões de euros são direcionados para o setor do turismo”.

Aqueles valores enquadram-se no conjunto de instrumentos criados pelo Governo para apoiar a manutenção dos postos de trabalho e a capacidade produtiva das empresas.

A secretária de Estado do Turismo disse também que a linha de apoio à tesouraria do Turismo de Portugal já aprovou 55,6 milhões de euros.

Relativamente ao programa Apoiar.pt, que já recebeu 36.944 candidaturas, 46% das quais associadas ao setor do turismo, já aprovou financiamento no valor de cerca de 100 milhões de euros, dos quais 43 milhões já foram pagos. “À data de ontem [terça-feira], tínhamos cerca de 7.600 candidaturas cujos termos de aceitação já estão assinados, com pagamentos efetuados de 43 milhões de euros”, afirmou Rita Marques.

Para o futuro, a governante adiantou que está a ser elaborado um plano de retoma, que assentará em cinco pilares: investimento (reforçar a confiança no investimento e identificar pontos de ligação com as empresas), conhecimento, território (iniciativas que apostem na coesão territorial), conectividade (aumentar a competitividade do transporte aéreo) e promoção.

Até setembro de 2020 as empresas do setor do turismo sofreram quebras de faturação de 7,7 mil milhões de euros, o que representa um decréscimo de receitas de 56%, e significa um recuo de 10 anos, sublinhou Rita Marques.

Relativamente ao emprego, prosseguiu, no terceiro trimestre de 2020 estavam registados 285 mil postos de trabalho associados ao turismo, representando um recuo de 14,8% e uma diminuição de 49,3 mil trabalhadores no setor.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas do turismo recebem 2,5 mil milhões de euros até final do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião