5 respostas sobre a nova variante que assusta a Europa

  • ECO
  • 20 Dezembro 2020

Transmite-se mais facilmente do que a estirpe comum e está a obrigar vários governos europeus a suspender as ligações com o Reino Unido, onde foi identificada.

A nova estirpe da Sars-Cov-2, o novo coronavírus, que foi identificada em Inglaterra, será até 70% mais contagiosa do que a comum, mas ainda não há muita informação sobre as suas implicações. Por causa do disparo nos contágios, o sudeste de Inglaterra e Londres entraram em novo confinamento. E vários Governos europeus estão a suspender as ligações com o Reino Unido para evitar que a nova variante se espalhe nos seus países.

O que é?

A nova estirpe do Sars-Cov-2 é designada temporariamente por VUI 202012/01, tratando-se de uma Variante Sob Investigação (Variant Under Investigation) que foi descoberta no início de dezembro de 2020.

De acordo com as autoridades britânicas, esta nova variante será até 70% mais contagiosa do que a mais comum na Europa. Embora seja mais facilmente transmissível, não há provas de que seja mais letal ou provoque danos de saúde mais sérios do que a estirpe mais comum.

Onde já foi identificada?

Foi identificada em Londres e no sudeste de Inglaterra. Não se estabeleceu ainda uma ligação direta entre a nova estirpe e o aumento de casos nestas regiões que entraram em novo confinamento. O Governo britânico disse que a situação estava descontrolada naquelas partes do território inglês.

A nova variante do coronavírus pode já ter infetado cidadãos de vários países europeus, segundo afirmou o professor de fármaco-epidemiologia da Universidade de Oxford Daniel Prieto-Alhambra. Em entrevista à rádio RAC1, explicou que há um mês que se fala no meio científico sobre uma possível mutação do vírus, que agora seria mais contagiosa, alteração essa que teria sido detetada em vários países europeus.

O especialista considera que ainda é muito cedo para perceber se esta mutação é a causa do aumento repentino de casos em Londres, Alemanha, Itália ou Espanha, embora tenha avançado que é quase certo que já está presente em vários países europeus.

Em Portugal ainda não tinha sido identificada, até ao momento, esta nova estirpe do Sars-Cov-2, segundo o Instituto Ricardo Jorge.

Afeta a eficácia das vacinas da Covid?

O virologista Pedro Simas, do Instituto de Medicina Molecular de Lisboa, considerou ser “pouco provável” que a nova estirpe do coronavírus responsável pela covid-19 tenha “impacto gigantesco” na vacina.

“Temos de aguardar e estar atentos, não é expectável que tenha um impacto gigantesco”, mas “é muito precoce estar a especular em relação a isso”, disse à Lusa Pedro Simas.

O que estão a fazer os países?

Vários países estão a suspender as ligações com o Reino Unido, tal como os Países Baixos, que foram o primeiro país a anunciar a suspensão dos voos. Seguiram-se Bélgica e Itália, sendo que a Alemanha está a ponderar “seriamente” seguir a mesma decisão. Irlanda, Áustria e Bulgária também já se juntaram à lista de países que vão impor restrições nas ligações com o Reino Unido.

Paris, Berlim e a União Europeia realizaram este domingo uma reunião de emergência para analisar a nova situação provocada pela variante do novo coronavírus detetada no sul de Inglaterra.

Por outro lado, a OMS apelou aos seus membros na Europa para “reforçarem os controlos” por causa da variante do novo coronavírus no Reino Unido.

E Portugal?

Ainda não tinha sido identificada, até ao momento, esta nova estirpe do Sars-Cov-2. Em relação à suspensão das ligações com o Reino Unido, o Ministério dos Negócios Estrangeiros afastou, para já, esse cenário.

O ministério apenas disse que está a acompanhar “com atenção a evolução da situação epidemiológica do Reino Unido, privilegiando a cooperação estreita entre as autoridades de saúde dos dois países”.

(Notícia atualizada às 18h05)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

5 respostas sobre a nova variante que assusta a Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião