BRANDS' ECOSEGUROS O cancro em tempos de pandemia

  • BRANDS' ECOSEGUROS
  • 22 Dezembro 2020

Na luta contra o cancro, o melhor ataque é a prevenção. Esta doença cria necessidades que vão muito além do seguro de saúde, sendo fundamental pensar no bem-estar da pessoa segura desde a contratação.

Excluindo a COVID-19, o cancro é a doença que preocupa 75% dos portugueses, de acordo com um estudo de perceção da população portuguesa sobre oncologia, realizado pela Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (APIFARMA) em novembro deste ano. Esta percentagem não surpreende, o cancro é uma doença muito presente na sociedade. Quase todos tivemos de alguma forma contacto com a doença, ou por ter antecedentes familiares ou por ter lutado ou ajudado alguém próximo a lutar contra o cancro. O que ajuda a ter uma visão clara do que uma doença destas representa e dos impactos que tem.

Para além disso, a Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que 1 em 5 homens e 1 em 6 mulheres terão cancro em algum momento da vida. Esta realidade assusta e realça a importância dos rastreios e realização de exames de rotina que permitam um diagnóstico da doença em estado inicial, aumentando a probabilidade de cura.

Mas a pandemia veio complicar a situação. Os rastreios foram adiados e a maioria das consultas deixaram de ser presenciais, o que ainda dificulta os diagnósticos.

A realização de exames complementares de diagnóstico, tais como Ressonância Magnética ou TAC para estadiamento, também ficaram condicionados. A pandemia obrigou a que muitos dos equipamentos passassem a ser usados pelas unidades que acompanham os doentes com COVID-19.

Por causa da pandemia, verificou-se uma quebra acentuada de novos diagnósticos. E quanto mais tempo levarmos a identificar estes novos casos, mais avançado estará o estado da doença com necessidade de tratamentos mais complicados e com taxa de sobrevivência mais reduzida.

Segundo a OMS, cerca de metade dos cancros podem ser prevenidos, se determinados fatores de risco forem evitados ou reduzidos (ex.: maus hábitos alimentares, fumar, ingerir bebidas alcoólicas em excesso e ser sedentário). O fator genético também é um fator de risco, embora não controlável, para o desenvolvimento de uma doença oncológica.

Para ajudar a detetar a doença em estado inicial, é fundamental vigiar a saúde e realizar os exames de rastreio indicados pelo médico de família, os quais são definidos com base na idade, historial familiar de cancro, a etnia e outros possíveis fatores de risco existentes.

Os seguros ajudam quando mais necessita

Quem lidou de perto com o cancro, relata que a doença coloca em suspense a vida do doente e passa a ser a doença da família, os seus tratamentos condicionam o dia-a-dia da pessoa, têm implicações físicas, sociais e económicas que levam a uma redução significativa da qualidade de vida.

"O cancro cria necessidades que ultrapassam a esfera do seguro de saúde.”

A doença enfraquece a pessoa física e psicologicamente, retira-lhe gradualmente autonomia, reduz a capacidade de trabalho e acarreta elevados custos. Projetos pessoais e/ou familiares são colocados em 2º plano ou até abandonados.

Um reforço financeiro aquando do diagnóstico de uma doença oncológica pode fazer a diferença! Pode ajudar a minimizar alguns impactos externos à doença, ajudar a equilibrar as contas, dar opções quando elas parecem estar a escassear, permitir contratar um cuidador ou investir em tratamentos estéticos (ex.: próteses capilares).

Existem várias soluções de proteção no mercado, que podem ajudar em situação de cancro, mas poucas são as que pensam no bem-estar da pessoa segura desde a contratação.

Por norma, quando se pensa em doenças graves como o cancro, é óbvio para todos a necessidade de ter seguro de saúde. Contudo, o cancro cria necessidades que ultrapassam a esfera do seguro de saúde. Um seguro de vida quando acionado permite a utilização do capital seguro com total flexibilidade. E este é um dos muitos pontos positivos de um seguro de vida.

 

"O Vida + Vencer tem uma vertente social tanto na prevenção como no apoio ao combate da doença que ainda é considerada por muitos como a doença do século.”

O ideal é ter, como complemento ao seguro de saúde, um seguro de vida que incentive a realização de exames de rotina com foco na prevenção, que, em caso de diagnóstico de doença oncológica, mesmo que em estadio inicial, disponibilize um capital seguro, e ainda, que dê acesso a rede de prestadores a preços convencionados e apoie a pessoa segura na escolha da instituição onde se pretende tratar.

A pensar nisso, na Tranquilidade, criou-se o Vida + Vencer, que assenta nesses 3 princípios:

  • Disponibiliza uma consulta anual de medicina geral e familiar com foco na prevenção e promoção de hábitos saudáveis;
  • Em caso de diagnóstico de doença oncológica, mesmo em situações muito iniciais (incluindo cancro não invasivo), disponibiliza o capital seguro ou partes do mesmo de acordo com a gravidade. A pessoa segura pode utilizar o capital com total liberdade;
  • Dá apoio e acompanhamento do segurado, com informação acerca das instituições hospitalares pertencentes à rede de prestadores AdvanceCare e acesso a descontos nesta rede convencionada (incluindo CUF, Fundação Champalimaud, Hospital da Luz …).

O Vida + Vencer tem uma vertente social tanto na prevenção como no apoio ao combate da doença que ainda é considerada por muitos como a doença do século.

 

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O cancro em tempos de pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião