“Velha guarda” da publicidade junta-se no combate à pandemia

Nova Agência de Campanha desenvolveu um projeto de combate ao coronavírus sob o mote “não deixes o vírus entrar”.

A pandemia tocou todo o mundo e muitos foram os que recorreram às redes sociais à procura de informação ou como escape durante o confinamento. Foi exatamente aí, numa rede social, que surgiu a ideia que deu origem à nova campanha publicitária contra o vírus. Tudo começou quando Pedro Bidarra, um das referências da publicidade em Portugal, fez um tweet em que questionava a dicotomia entre economia e saúde na pandemia. A discussão escalou e levou a uma reunião com o Governo, à qual se juntou também outra referência da indústria da comunicação: João Wengorovius.

Em tempo recorde foi criada uma agência e, de seguida, uma campanha que se queria eficaz para o período de Natal e fim do ano. Tal como no filme Armageddon, em jeito de metáfora, os dois publicitários que durante anos trabalharam juntos na agência BBDO, juntaram um grupo da “velha guarda” para resolver um problema atual.

No briefing passado à nova agência, Pedro Bidarra e João Wengorovius deixaram claro alguns pontos: a comunicação devia assentar na vertente “biológica” e não ser moralizadora ou paternalista; devia também ser uma explicação clara de como atua o vírus, como se propaga e os efeitos reais no corpo das pessoas. Por outro lado, tendo em conta o problema e os números atuais da pandemia, a campanha não podia ser desenvolvida e produzida nos mesmos moldes que as campanhas tradicionais, com timings de agência e de vários níveis de aprovação por parte do Governo. Simplesmente, porque não há esse tempo no combate ao vírus.

À semelhança de um hospital de campanha (montado quando há situações de emergência), foi criada a Agência de Campanha, para atuar com urgência e com a missão de acertar à primeira. E é assim que nasce uma equipa especifica, da confiança dos dois profissionais e com as diferentes competências e experiência para o projeto resultar. Entre eles, Nuno Jerónimo de O Escritório, Diogo Anahory da Bar Ogilvy, Marco Pacheco e Andreia Ribeiro da BBDO, André Moreira (atualmente em Londres), Marco Dias ex-BBDO e ex-Brandia, Bernardo Rodo da OMD e Pureza Morais Cabral.

Juntos criaram o conceito da campanha: “não deixes o vírus entrar” no teu corpo, na tua casa, na tua família. Uma campanha com diferentes momentos e objetivos, para chamar a atenção que o problema existe, é real, dá cabo do corpo e pode ter efeitos potencialmente fatais. Uma campanha multimeios e com filmes diferentes para chegar a diferentes targets, mostrando como se dá o contágio na realidade e como é fácil a transmissão se não forem tidos os cuidados certos.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Velha guarda” da publicidade junta-se no combate à pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião