Distanciamento social? Seguradoras espanholas preparam holograma do mediador

  • ECO Seguros
  • 29 Dezembro 2020

O projeto envolve tecnológicas e visa criar ferramentas digitais que as agências de seguros (e corretores) poderão utilizar para resolver as limitações que a Covid-19 impõe ao atendimento presencial.

Um acordo inédito envolvendo várias companhias lideradas pelos três principais grupos espanhóis de seguros (VidaCaixa, Mapfre e Mutua Madrileña) e algumas associações de mediadores, encetaram conversas para melhorar a relação cara a cara dos seus agentes, tanto com os clientes em carteira como em nova produção.

A abordagem de interesse comum prevê a criação de novas ferramentas que consistiriam na criação de um holograma para cada escritório, para que um agente possa ir a casa dos clientes ou mesmo recebê-los in situ.

Dados da indústria espanhola de seguros no final do 3º trimestre de 2020, mostraram uma queda anual de 10,8% no volume de prémios, para um total de pouco mais de 43.100 milhões de euros. “Face a esta situação e devido ao estado de alarme aprovado até maio, bem como às contínuas mudanças de restrições nas comunidades autónomas”, motivaram as seguradoras e várias associações avançar com o projeto, explica o portal Aseguranza.

Os participantes no projeto estão a ultimar um documento, pendente de aprovação pela entidade de regulação espanhola (DGSFP – Dirección General de Seguros y Fondos de Pensiones), que envolveria seguradoras e tecnológicas, a fim de fornecer novas ferramentas e soluções adaptáveis ao ambiente informático usado pelas agências. Duas das tech mais estreitamente ligadas ao setor, a ebroker e a Codeoscopic, já demonstraram interesse nos novos modelos de ferramenta digital, indica a fonte.

Uma das ferramentas consiste na criação de um holograma para cada escritório, para que um agente possa ir a casa dos clientes ou mesmo recebê-los in situ. Desta forma, explicam fontes do setor, “dois objetivos seriam alcançados; por um lado, a tradicional relação pessoal entre agentes e clientes seria mantida novamente e, por outro lado, o medo natural dos clientes de serem servidos por um agente real seria evitado“, tornando o possível contágio por Covid-19 a estar contornado.

As companhias de seguros notaram durante este tempo que a distância lógica devida às medidas anti-covid reduziu a empatia entre ambas as partes e com esta medida, incluída no plano de digitalização do seguro, espera-se acabar com o distanciamento entre distribuidores e segurados. A opção pelo holograma nesta situação permitiria construir uma imagem tridimensional do agente ou do corretor de seguros e, assim, tornar a inter-relação de ambas as partes na comercialização de seguros tão real quanto possível.

Após um programa piloto que teria início no final de janeiro, “espera-se que esta medida seja também implementada por um certo número de corretores de seguros”, alargando-se sucessivamente a outros, podendo constituir uma opção para no futuro aumentar as vendas dos corretores.

Com este passo, ainda em fase experimental, os seguros espanhóis esperam aumentar o número de seguros entre a população espanhola, projetando ainda que uma duplicação do negócio dos agentes e corretores elevaria o número de distribuidores de seguros para mais de 150.000 em Espanha.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Distanciamento social? Seguradoras espanholas preparam holograma do mediador

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião