IRB Brasil RE gera 47% dos prémios de resseguro no exterior

  • ECO Seguros
  • 6 Janeiro 2021

A maior resseguradora brasileira reduziu prejuízos em outubro, apontando um resultado negativo de quase 24 milhões de reais, cerca de 3,75 milhões de euros.

A IRB Brasil RE, líder do resseguro no mercado brasileiro, apurou 692,9 milhões de reais em volume bruto de prémios (cerca de 109,15 milhões de euros), em outubro de 2020, evidenciando um incremento de 17,9% em comparação com igual mês de 2019.

Do montante apurado, 370 milhões de reais foram gerados no Brasil (+18,2%) e 322,9 milhões no exterior (+17,7%), colocando o mercado internacional como fonte de 46,6% da receita total de prémios de resseguro arrecadados no mês.

A companhia registou um resultado negativo de 23,8 milhões de reais (3,75 milhões de euros), embora o lucro líquido sem o efeito de elementos não recorrentes tenha alcançado 110,3 milhões de reais.

“Os impactos materiais de efeitos one-offs (que ocorrem uma vez) ocorreram devido a um maior provisionamento da carteira de vida internacional”, detalha a companhia em comunicado.

Em outubro também ocorreu “a operação de transferência/venda pelo IRB de portfólio de sinistros do segmento rural (Loss Portfolio Transfer)”, a refletir 118 milhões de reais de volume retrocedido em LPT. Os efeitos desta operação, explica a entidade, dão-se “por diminuição do Prêmio Ganho pelo valor da Carteira Transferida” e/ou pela “Diminuição das Despesas com Sinistros pelo mesmo valor”. São “efeitos one-offs”, lê-se em nota incluída no comunicado.

O índice de sinistralidade situou-se em 82,1% em outubro, ou 59,4% quando excluídos os efeitos extraordinários. Os gastos com sinistros ascenderam a 347,5 milhões de reais, refletindo principalmente o provisionamento da carteira de Vida, por 159,3 milhões de reais.

A IRB Brasil RE (IRB-Brasil Resseguros S.A.) encerrou o terceiro trimestre de 2020 com prejuízo líquido de 229,8 milhões de reais. A companhia tem a Bradesco Seguro (15,8%) e a Itaú Seguros (11,5%) como os seus principais acionistas institucionais.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

IRB Brasil RE gera 47% dos prémios de resseguro no exterior

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião