Covid-19: AXA condenada pela 1ª vez em França a indemnizar hoteleiro

  • ECO Seguros
  • 7 Janeiro 2021

A seguradora francesa foi condenada a pagar 60 mil euros, a título provisório, a um empresário queixoso até que sejam contabilizadas, em definitivo, as perdas de exploração decorrentes da pandemia.

Um tribunal de Annecy, em França, decidiu que a AXA deve pagar um adiantamento de 60 mil euros a um empresário da hotelaria e restauração até que uma peritagem judicial estabeleça o montante definitivo das perdas de exploração resultantes do período de confinamento relacionado com a pandemia de Covid-19 e que determinou a cessação de atividade do reclamante.

É a “primeira condenação da Axa” com base num contrato aplicável a todos os empresários da hotelaria+restauração, que contratam uma apólice distinta das que se aplicam aos restaurantes, explica Quentin Mugnier, advogado na prática de Direito de seguros e conselheiro do empresário com atividade em Les Gets (Haute-Savoie).

Inicialmente, a seguradora recusou a indemnização defendendo-se com uma cláusula do contrato de seguro em que se estipulava que a cobertura de perdas de exploração não se aplica nos casos em que a interrupção de atividade afetasse diversos estabelecimentos numa mesma região ou a nível nacional. No entanto, de acordo com decisão judicial produzida a 22 de dezembro, os juízes consideraram que os termos do clausulado poderiam ser interpretados como cláusula de exclusão, mas a seguradora não a identificou como tal.

Dado que essa cláusula não se mostrava evidente e impressa em carateres bem visíveis, como exige o código do contrato de seguros, o tribunal considerou a cláusula nula e improcedente, considerando, por conseguinte, que a indemnização por “perda de exploração em consequência de encerramento administrativo” é devida ao reclamante, refere um artigo da AFP.

Segundo conclui o causídico em artigo desenvolvido no seu blogue, trata-se de uma “decisão inédita” que afeta “potencialmente todos os hoteleiros-restauração segurados pela AXA, o que representa alguns milhares de contratos em território nacional”, realçou Quentin Mugnier.

A AXA já decidiu, segundo fonte citando a agência France Presse, que vai recorrer da decisão do tribunal de Comércio de Annecy, interpondo recurso junto da apelação de Chambéry.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: AXA condenada pela 1ª vez em França a indemnizar hoteleiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião