Covid-19: Mercado Lloyd’s volta a encerrar sala de subscrição

  • ECO Seguros
  • 7 Janeiro 2021

O novo encerramento da sala de negociação, o segundo em menos de um ano no hub global de seguros, decorre do novo confinamento nacional decretado esta semana pelo primeiro ministro Boris Johnson.

O mercado Lloyd’s of London, referência internacional na indústria de seguros, anunciou novo encerramento da grande sala de negociação no piso térreo, pela segunda vez em menos de um ano, em resultado de novo confinamento nacional decretado pelo governo britânico devido à pandemia de Covid-19.

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson anunciou na segunda-feira um novo período de confinamento, argumentando que a nova variante muito contagiosa do novo coronavírus, identificada pela primeira vez na Grã-Bretanha, está a propagar-se tão rapidamente que o serviço de saúde (NHS) arrisca entrar em colapso num prazo de 21 dias.

Em março de 2020, por causa da crise de saúde pública (Covid-19), o Lloyd’s fechou a sua sala de subscrição, por tempo indeterminado, situação em que se manteve durante cerca de seis meses. Após reabertura em setembro, sob condições rígidas de natureza sanitária e normas de distanciamento social, num regime em que os segmentos de mercado intercalavam a negociação pelos dias da semana, o histórico hub londrino de seguros foi alvo de medidas ainda mais restritivas, em novembro, embora assegurando a abertura da Underwriting Room, uma vez por semana, às quartas-feiras.

Agora, quando o mercado global se anima com o arranque da época de renovações de contratos em janeiro, as portas do edifício da One Lime Street, com estruturas tubulares no exterior, voltaram a fechar-se aos visitantes (público e profissionais), mantendo acesso apenas a funcionários e outros inquilinos das torres que compõem o edificado.

Em comunicado, o Lloyd’s considera “improvável” que o átrio central da torre principal volte a reabrir portas antes de meados de fevereiro. A generalidade das facilidades e serviços disponíveis no Lloyd’s, como visitas e eventos, loja, café e cabeleireiro estão temporariamente encerrados. As zonas com acessibilidade reservada mantêm regime de utilização e regras sanitárias rigorosas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Mercado Lloyd’s volta a encerrar sala de subscrição

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião