Gallagher escolhida para tratar dos seguros da Universidade de Cambridge

  • ECO Seguros
  • 10 Janeiro 2021

A Gallagher, companhia do grupo Arthur J. Gallagher, foi selecionada para ser a corretora de seguros da Universidade de Cambridge, no Reino Unido.

A Gallagher, especialista da Arthur J. Gallagher & Co na área de seguros e gestão de risco, será a seguradora parceira da universidade após candidatura conduzida pelo departamento dedicado a entidades públicas, responsável também pela prática educativa no Reino Unido. Através da parceria, a companhia de corretagem irá ocupar-se da supervisão e gestão de riscos e das necessidades de seguros daquela comunidade universitária.

Em comunicado, a Universidade de Cambridge anunciou a nomeação da Gallagher devido à competência técnica e ao conhecimento que a firma tem do ensino superior e dos desafios que as universidades enfrentam.

Fundada em 1209, a Universidade de Cambridge é a quarta universidade mais antiga do mundo. É composta por seis escolas e mais de 150 faculdades, departamentos, e outras instituições. A universidade conta cerca de 20 mil alunos de 150 países e abriga também um grande número de museus e coleções históricas.

“Estamos encantados por trabalhar com a Universidade de Cambridge. É um centro histórico de enorme prestígio e excelência no mundo da educação”, disse o diretor-geral da Gallagher para a área de setor público e da educação Tim Devine. “Cada universidade é diferente, pelo que é importante que a nossa equipa possa oferecer os conhecimentos especializados para desenvolver uma cobertura de seguro à medida que cubra todas as suas necessidades”, complementou.

“Após concurso altamente concorrencial, estamos encantados com a seleção da Gallagher”, comentou Nicky Routh, diretor dos serviços de seguros da Universidade de Cambridge.

A parceira da Gallagher em Portugal é a corretora Costa Duarte.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Gallagher escolhida para tratar dos seguros da Universidade de Cambridge

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião