Banco central da Nova Zelândia foi alvo de ciberataque

  • ECO Seguros
  • 11 Janeiro 2021

O governador da autoridade monetária, também regulador prudencial e supervisora do setor segurador, afirmou tratar-se de um ataque malicioso, cujo alcance está ainda a ser investigado.

O Reserve Bank of New Zealand – Te Pûtea Matua (banco central da Nova Zelândia) divulgou uma nota informando que está a dar resposta urgente a um acesso indevido detetado num dos seus sistemas informáticos.

O incidente ilegal ocorreu numa aplicação de serviços que o banco utiliza para partilhar dados (com terceiras partes) e para “armazenamento de informação sensível”, informa a entidade cujas competências se estendem à supervisão e regulação prudencial do setor segurador.

Citado no comunicado, Adrian Orr, governador do banco, disse que a falha cibernética está controlada e o RBNZ está a gerir o incidente com “prioridade alta” e a “agir com urgência” necessária.

“Estamos a trabalhar em estreita ligação com especialistas em segurança cibernética nacionais e internacionais e outras autoridades que participam na investigação e resposta ao ataque malicioso. Ainda estamos a determinar o alcance e natureza dos dados que foram acedidos, e que poderão incluir informação comercial e pessoal sensível“, acrescentou Orr.

No comunicado, o RBNZ afirma ainda que o sistema afetado foi isolado da rede e, enquanto decorrem as averiguações preliminares, a segurança global das operações do banco foi restabelecida. “Levará tempo a compreender todas as implicações da falha e estamos em ligação com os utilizadores da aplicação, cuja informação poderá igualmente ter sido violada”, refere o banco central.

Em fevereiro de 2020, segundo a agência Reuters, um relatório daquela autoridade monetária advertia que o custo esperado de incidentes cibernéticos para a indústria bancária e de seguros se situava entre 80 milhões e 140 milhões de dólares neozelandeses (intervalo a rondar 65 milhões de euros) por ano.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco central da Nova Zelândia foi alvo de ciberataque

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião