Ford anuncia encerramento de fábricas no Brasil

  • Lusa
  • 11 Janeiro 2021

A Ford vai deixar de produzir automóveis nas três fábricas que tem no Brasil, devido ao impacto da Covid-19. Manterá no país a sua sede regional.

A Ford anunciou que encerrará a produção de veículos nas fábricas no Brasil em 2021 e deverá manter no país apenas um centro de desenvolvimento de produto, um campo de provas e a sua sede regional. A decisão pode provocar o corte de 5 mil trabalhadores no país, de acordo com estimativas da Bloomberg.

Deste modo, a Ford Brasil encerrará a produção nas fábricas de Camaçari, no estado da Bahia, a fábrica em Taubaté, no estado de São Paulo, e uma fábrica na cidade de Horizonte, no Ceará, durante este ano. Os veículos da Ford já fabricados no Brasil serão vendidos até ao fim dos estoques. Na sequência, a empresa encerrará as vendas dos automóveis dos modelos EcoSport, Ford Ka e T4.

A empresa justificou que o fecho ocorre “à medida que a pandemia de Covid-19 amplia a persistente capacidade ociosa da indústria e a redução das vendas, resultando em anos de perdas significativas”.

Jim Farley, presidente e CEO da Ford, afirmou, no mesmo comunicado, saber que “essas são ações muito difíceis, mas necessárias, para a criação de um negócio saudável e sustentável”. “Estamos mudando para um modelo de negócios ágil e enxuto ao encerrar a produção no Brasil, atendendo nossos consumidores com alguns dos produtos mais empolgantes do nosso portfólio global. Vamos também acelerar a disponibilidade dos benefícios trazidos pela conectividade, eletrificação e tecnologias autónomas”, acrescentou.

O fabricante de automóveis norte-americano informou irá promover a colaboração dos sindicatos de trabalhadores e outros parceiros no desenvolvimento de um plano para minimizar os impactos do encerramento da produção.

“Trabalharemos intensamente com os sindicatos, nossos funcionários e outros parceiros para desenvolver medidas que ajudem a enfrentar o difícil impacto desse anúncio”, salientou Lyle Watters, presidente da Ford América do Sul e Grupo de Mercados Internacionais.

“Quero enfatizar que estamos comprometidos com a região para o longo prazo e continuaremos a oferecer aos nossos clientes ampla assistência e cobertura de vendas, serviços e garantia”, concluiu.

A empresa destacou que o fecho das fábricas no Brasil terá impacto de aproximadamente 4,1 mil milhões de dólares (3,3 mil milhões de euros) em despesas não recorrentes, incluindo cerca de 2,5 mil milhões de dólares (2 mil milhões de euros) em 2020 e 1,6 mil milhões de dólares (1,3 mil milhões de euros) em 2021.

Segundo a Ford, “aproximadamente 1,6 mil milhões de dólares será relacionado ao impacto” contabilístico “atribuído à baixa de créditos fiscais, depreciação acelerada e amortização de ativos fixos.” “Os valores remanescentes de aproximadamente 2,5 mil milhões de dólares impactarão diretamente o caixa [tesouraria] e estão, em sua maioria, relacionados a compensações, rescisões, acordos e outros pagamentos”, concluiu a empresa.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ford anuncia encerramento de fábricas no Brasil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião