Crédito y Caución assegura cobertura adicional do Estado para exportação

  • ECO Seguros
  • 13 Janeiro 2021

São elegíveis para a garantia adicional do Estado as operações de seguro de crédito comerciais contratadas em complemento de apólices de seguro celebradas entre as empresas seguradas e a seguradora.

A Crédito y Caución (CYC) alcançou acordo com o Estado Português para prolongar da vigência da linha de apoio ao crédito comercial com garantia estatal que permite às empresas beneficiarem de cobertura adicional do Estado em operações de exportação, sendo que a prorrogação é válida até 30 de junho de 2021.

A facilidade engloba as operações de seguro de crédito comerciais contratadas em complemento de apólices de seguro celebradas entre as empresas seguradas e a CYC (apólice base). A nova linha de apoio, denominada Exportação Segura 2021, “é mais ampla que a anterior facilidade, abrangendo clientes em todos os mercados identificados na lista de Risco País da OCDE”.

“A prorrogação da vigência da Linha de Apoio ao Crédito Comercial com Garantia do Estado era um passo fundamental para manter o apoio à atividade das exportadoras nacionais, num contexto de grande incerteza e de perspetivas pouco otimistas para 2021 na generalidade dos mercados mundiais”, refere Paulo Morais, Country Manager da Crédito y Caución para Portugal e Brasil.

O montante máximo garantido pelo Estado em cada operação de seguro dependerá, entre outras condições, da classificação do cliente/importador, em termos de risco, a qual é efetuada pela CYC com base no seu sistema interno de classificação de risco.

Nos casos em que a companhia tenha concedido cobertura insuficiente no âmbito da sua apólice de Seguro de Crédito, “o montante da Garantia Adicional do Estado será indexado ao risco assumido pela seguradora de crédito, com o limite por operação a variar em função do risco de crédito do comprador, podendo chegar a 1,5 vezes o valor classificado pela Crédito y Caución”.

O preço de subscrição da nova linha de apoio “será também, na generalidade dos casos, inferior ao da anterior facilidade, sendo calculado com base no preço da Apólice Base já existente, acrescido das imposições resultantes nas normas comunitárias aplicáveis ao Seguro de Crédito à Exportação com o apoio do Estado”, refere a companhia.

A seguradora afirma ainda que “não aplicará os custos de abertura de processo ou custos por serviços associados à Apólice, com exclusão de impostos e taxas previstas legalmente, sem prejuízo dos custos relativos à cobrança dos créditos, que serão repartidos entre a Seguradora, o Segurado e o Estado, na proporção assumida por cada uma das partes”.

Globalmente, a CyC disponibilizará garantias adicionais para os seus segurados no montante de 194,2 milhões de euros, complementa o comunicado.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Crédito y Caución assegura cobertura adicional do Estado para exportação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião