Reino Unido proíbe voos com origem em Portugal. Madeira e Açores fora dos corredores aéreos

Viagens para o Reino Unido a partir de Portugal estão proibidas, na sequência da descoberta de uma nova variante de coronavírus no Brasil. Madeira e Açores são, assim, retirados dos corredores aéreos.

Viajar de Portugal para o Reino Unido volta a não ser possível. O secretário de Estado dos Transportes britânico anunciou esta quinta-feira que o Governo de Boris Johnson decidiu suspender os voos para o Reino Unido com partida de vários países, entre os quais Portugal, na sequência da descoberta de uma nova variante de coronavírus no Brasil. Madeira e Açores foram ainda retirados dos corredores aéreos britânicos.

“Eu tomei a urgente decisão de banir todas as chegadas da Argentina, Brasil, Bolívia, Cabo Verde, Chile, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Guiana, Panamá, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela, a partir de amanhã, 15 de janeiro às 4h, na sequência da descoberta de uma nova variante de coronavírus no Brasil“, escreveu Grant Shapps na sua conta oficial do Twitter.

Na lista incluiu-se ainda Portugal. “As viagens de Portugal para o Reino Unido também serão suspensas devido às fortes ligações com o Brasil — numa decisão tomada como mais uma forma de reduzir o risco de infeções. No entanto, existe uma isenção para as transportadoras que viajarem a partir de Portugal (apenas), para permitir o transporte de mercadorias essenciais”, acrescentou.

Num outro tweet, o secretário de Estado referiu ainda que “esta medida não se aplica aos cidadãos britânicos e irlandeses e residentes de países terceiros com direitos de residência –, mas os passageiros que regressem desses destinos devem isolar-se por dez dias juntamente com as suas famílias”.

Momentos mais tarde após o primeiro anúncio, Grant Shapps fez uma outra publicação no Twitter onde anunciou que, na sequência do mesmo motivo, a Madeira e os Açores seriam retirados dos corredores aéreos britânicos.

“Como parte das nossas medidas sobre a variante brasileira, retiramos o Chile, a Madeira e os Açores da lista dos corredores de viagem. A partir das 4h00 de sexta-feira, 15 de janeiro, todos os cidadãos não britânicos e irlandeses e aqueles sem residência permanente no Reino Unido terão a sua entrada negada”, escreveu.

Esta quarta-feira, as autoridades de saúde britânicas descobriram uma nova variante de coronavírus vinda do Brasil, tendo nesse dia o próprio Governo admitir que tomaria medidas. “Estamos preocupados com a nova variante brasileira. (…) Já temos medidas duras para proteger este país de novas infeções vindas do estrangeiro. Estamos a tomar medidas para fazê-lo em relação à variante brasileira”, disse Boris Johnson.

Esta medida foi prontamente criticada pelo ministro português da Economia, Pedro Siza Vieira, referindo-se a esta como uma medida que “infelizmente não terá impacto significativo”, visto que o fluxo de viagens tem sido muito reduzido. Além do mais, destaca como se tem verificado um elevado “controlo dos passageiros”, que “são obrigados a fazer testes à chegada”.

(Notícia atualizada às 19h02 com as reações do ministro Pedro Siza Vieira)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reino Unido proíbe voos com origem em Portugal. Madeira e Açores fora dos corredores aéreos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião