Pandemia corta receitas dos negócios de Trump a metade

  • ECO
  • 21 Janeiro 2021

Vendas online não foram suficiente para travar queda das receitas do ex-Presidente dos Estados Unidos. Fortuna de Trump cai 500 milhões, quando comparada com o ano em que tomou posse (2016).

O império de Donald Trump sofreu o impacto do confinamento e restrições da pandemia, com a receita dos hotéis em Washington e Las Vegas a cair para mais de metade, informa a Bloomberg (em inglês) esta quinta-feira. Fortuna de Trump cai 500 milhões, quando comparada com o ano em que tomou posse (2016).

No último formulário de divulgação financeira como Presidente, Trump detalhou que a receita do hotel em Washington, que estava a tentar vender, caiu de 40,5 milhões de dólares (cerca de 33,4 milhões de euros) em 2019 para 15,1 milhões de dólares (12,5 milhões de euros), enquanto em Vegas, as vendas relacionadas com hotéis caíram de 23,3 milhões para 9,2 milhões de dólares (de 19,2 para 7,6 milhões de euros). Outra propriedade importante de Trump, o Doral Golf Resort em Miami, também viu a receita cair para 44 milhões de dólares (36,3 milhões de euros), quando em 2019 o valor rondava os 77 milhões de dólares (63,5 milhões de euros). Para compensar, as suas vendas online aumentaram em 2020.

O rendimento total do ex-Presidente dos Estados Unidos caiu para entre 273 milhões e 308 milhões de dólares (entre 225 e 254 milhões de euros), de acordo com o formulário, que abrange 2020 e os primeiros 20 dias de 2021. Na sua primeira divulgação financeira, em 2017, Donald Trump teria rendimentos na ordem dos 528,9 milhões de dólares (436,2 milhões de euros) em 15 meses e meio, incluindo os seus primeiros três meses como presidente.

Segundo o Bloomberg Billionaires Index, Donald Trump teve uma quebra de 500 milhões de dólares (412,4 milhões de euros) comparando com o ano em que tomou posse, valendo, atualmente, 2,5 mil milhões de dólares (dois mil milhões de euros).

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Pandemia corta receitas dos negócios de Trump a metade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião