Há 700 escolas de acolhimento para filhos de trabalhadores de serviços essenciais

As cerca de 700 escolas de acolhimento vão servir também refeições aos alunos abrangidos por apoios no âmbito da Ação Social Escolar.

O Governo decidiu fechar as escolas durante este confinamento geral, recuando na decisão que tinha tomado inicialmente. Para assegurar uma resposta para os filhos daqueles que têm mesmo de ir trabalhar, vão estar disponíveis cerca de 700 escolas de acolhimento para filhos e outros dependentes dos trabalhadores de serviços essenciais.

Estas escolas servirão também refeições aos alunos abrangidos por apoios no âmbito da Ação Social Escolar, adianta o Ministério da Educação, em comunicado. É possível consultar a lista das cerca de sete centenas de estabelecimentos que vão estar abertos durante este confinamento no site da Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares.

“A partir desta segunda-feira, as escolas continuam assim a cumprir uma função social imprescindível, em todo o território, garantindo diariamente às crianças e jovens que o necessitem acolhimento ou uma resposta alimentar adequada”, acrescenta o Ministério, na nota.

Todas as atividades letivas foram interrompidas a partir da sexta-feira passada, por 15 dias, uma decisão que o Governo tomou perante a evolução da nova variante do vírus, identificada inicialmente no Reino Unido, no país. Esta interrupção, que será reavaliada daqui a uma quinzena, será compensada mais tarde no calendário letivo.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Há 700 escolas de acolhimento para filhos de trabalhadores de serviços essenciais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião