Bernardo Sanchez Incera é o novo presidente da Coface

  • ECO Seguros
  • 18 Fevereiro 2021

O volume bruto de prémios da companhia francesa seguradora de crédito desceu 2,5% em 2020, enquanto o resultado líquido caiu 43%, para 82,9 milhões de euros.

Bernardo Sanchez Incera, que exerceu funções de administrador delegado na Société Générale entre 2010 e 2018, foi nomeado presidente do conselho de administração da Coface, seguradora de crédito francesa e especialista na gestão de risco internacional.

A nomeação de Bernardo Sanchez decorre da transação entre o Natixis e os fundos Arch Capital, em fevereiro de 2020. Segundo anunciou a Coface, em resultado dessa transação que, entretanto, obteve as autorizações regulatórias que estavam pendentes, o Arch Capital Group Ltd passou a deter 44,8 milhões de ações da seguradora francesa, um pacote que “corresponde a 29,5% do capital da Coface”.

Com a alteração na estrutura acionista da entidade francesa, todos os administradores representantes do banco Natixis demitiram-se e o novo conselho de administração da Coface, composto por 10 elementos, cooptou três representantes nomeados pelo Arch Group, enquanto Bernardo Sanchez foi nomeado presidente da companhia francesa em substituição de Nicolas Namias, diretor geral do Natixis. Bernardo Sanchez Incera, de 60 anos, foi administrador delegado do grupo Société Générale entre 2010 e 2018.

No mesmo dia em que anunciou a nova constituição do conselho de administração, a Coface divulgou os seus indicadores relativos ao ano 2020, reportando 1,45 mil milhões de euros de receita anual, um volume de negócios 0,6% inferior ao de um ano antes, em perímetro e taxas de câmbio constantes. Os seguros de crédito diminuíram 0,8% (-2,5% sem levar em conta as variações de câmbio) correspondendo a 1,2 mil milhões da receita consolidada, mas a companhia confirma que o ambiente tarifário melhorou, ao mesmo que a atividade dos clientes desceu.

A Coface, que continua a contar com Xavier Durand como diretor geral (presidente do comité executivo), registou declínio de 31,4% no resultado operacional, para 154,2 milhões de euros, um desempenho que refletiu, sobretudo, a redução de 32% no resultado técnico (líquido de resseguro), o qual se situou em torno dos 127 milhões de euros, revela o comunicado com os indicadores da Coface.

O rácio combinado anual foi calculado em 79,8% (líquido de resseguro), melhorando 2,1 pontos percentuais (p.p.). Tendo encerrado o exercício com resultado líquido de 82,9 milhões de euros, menos 43% relativamente ao ganho de 2019, a companhia estima o rácio de solvabilidade em 205%, dois p.p. acima dos níveis dos capitais de base no ano anterior.

A Coface está presente em Portugal com escritórios em Lisboa e em Gaia. Através de parceria com a espanhola Abarca, esta oferece as melhores soluções do ramo de seguro de caução aos segurados da Coface Portugal e, reciprocamente, a Coface em Portugal oferece as melhores soluções do ramo de seguro de crédito aos clientes da Abarca.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Bernardo Sanchez Incera é o novo presidente da Coface

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião