Quem tem a energia mais barata em 2021? Há poupanças até 13% para novos clientes

Dos 21 comercializadores de energia em Portugal, metade baixou os preços para os novos clientes. ERSE recomenda consultar a fatura. Mudar de empresa pode dar uma poupança até 18 euros por mês.

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) baixou em 0,6% os custos da luz no mercado regulado para 2021, mas no mercado livre as variações de preços para os consumidores no início de cada ano dependem da estratégia tarifária de cada comercializador. O regulador analisou então as várias ofertas disponíveis no mercado liberalizado para este ano, numa tentativa de perceber quais as mais competitivas e concluiu que há casos em que trocar de comercializador permite poupar até 18 euros por mês na fatura.

“Dos 21 comercializadores do mercado livre com ofertas de eletricidade para consumidores domésticos, 11 apresentam reduções de preços na sua oferta mais competitiva“, refere a ERSE, em comunicado. Esta conclusão resultou da análise feita pelo regulador, comparando as novas ofertas comerciais em mercado face à tarifa regulada fixada pela ERSE, a qual, para 2021, apresentou uma redução de -0,6%.

No entanto, nota a ERSE, estes cálculos aplicam-se apenas a novos clientes, ou seja, a quem mudar de comercializador ou a quem sair do mercado regulado. O regulador aconselha, assim, os consumidores a “verificarem nas faturas se o valor que pagam é maior ou menor que o do mercado regulado” e a “comparar as novas ofertas de mercado”. Neste caso, caso sejam mais favoráveis, devem “contratar uma nova oferta/comercializador”.

Uma outra análise, já divulgada pela plataforma de comparação de faturas de energia Payper, dá conta que os comercializadores em mercado livre aumentaram significativamente os preços dos tarifários em janeiro (tanto no termo fixo – até +11% – como na energia – até mais +5,4%), o que pode vir a significar mais 71 euros por ano na fatura. Avaliando as mais de 6.000 faturas submetidas na plataforma desde o início de 2021, é também previsível que o consumo de eletricidade das famílias aumente em média 23%, face ao mesmo período de 2020, “devido ao número significativo de pessoas em teletrabalho, em confinamento, em telescola ou abrangidos por programas de lay-off“.

Ou seja, o já inflacionado valor médio mensal de 70,55 euros pago por habitação pela energia elétrica consumida durante 2020 poderá aumentar ainda mais 13,5% para os 80 euros por mês, dizem os analistas do Payper, isto tendo em conta a atual situação de confinamento, mas também a descida do IVA para 13% nos primeiros 100 kWh consumidos.

Casal sem filhos pode poupar até 4,7 euros por mês

Para um casal sem filhos, há 12 comercializadores de eletricidade que apresentam um preço mais competitivo do que a tarifa regulada, afirma a ERSE. A Iberdrola apresenta a oferta mais barata: 31,4 euros por mês com o “Plano Outono-Inverno”. Este valor representa uma poupança mensal de 4,7 euros (-13%) face aos 36,1 euros estipulados no mercado regulado.

Mas a tarifa simples da Endesa também é uma boa opção. Com um custo de 32,6 euros mensais, permite poupar até 3,5 euros (-9%). A terceira fatura mais em conta para um casal sem filhos é da Galp Power. O pacote “Casa e Continente Eletricidade Verde FE+DD) tem um custo de 32,8 euros e permite um desconto de 3,3 euros (-9%) face ao mercado regulado.

Ofertas de eletricidade mais competitivas por comercializador para um casal sem filhos. | Fonte: ERSE

Casal com dois filhos pode poupar até 8,4 euros mensais

Para um casal com filhos, a fatura é, naturalmente, mais elevada. No mercado regulado tem um custo de 89,7 euros por mês, mas há 14 ofertas mais competitivas. A GoldEnergy apresenta a opção mais em conta, com o plano “Monoeletrico ACP 2021”, que tem um custo de 81,3 euros por mês. Os consumidores que adiram a este plano podem poupar até 8,4 euros por mês (-9%).

A EDP Comercial, com o plano “Eletricidade Desconto de Amigo CC+DD+FE”, é a segunda opção mais barata. Com um custo mensal de 81,6 euros por mês, permite um desconto de 8,1 euros (-9%) na fatura face ao mercado regulado. E ainda o “Plano Outono-Inverno” da Iberdrola, com um custo de 83,7 euros, que permite poupar seis euros por mês (-7%).

Ofertas de eletricidade mais competitivas por comercializador para um casal com dois filhos. | Fonte: ERSE

Casal com quatro filhos pode poupar até 18,8 euros por mês

Novamente, para um casal com quatro filhos, a fatura é ainda mais alta. No mercado regulado tem um custo de 192,4 euros, mas há 16 ofertas mais em conta. A começar pela EDP Comercial, o plano “Eletricidade – Desconto de Amigo (CC+DD+FE)” tem um custo de 173,6 euros, o que permite poupar 18,8 euros (-10%) ao final do mês. Esta é a opção mais barata para uma família numerosa.

Outras duas alternativas mais em conta são o plano “Monoeletrico ACP 2021” da GoldEnergy, que custa 175,9 euros e permite poupar 16,5 euros (-9%) e o “Plano Outono-Inverno” da Iberdrola que custa 181,2 euros e permite uma poupança de 11,2 euros (-6%) face ao mercado regulado.

Ofertas de eletricidade mais competitivas por comercializador para um casal com quatro filhos. | Fonte: ERSE

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Quem tem a energia mais barata em 2021? Há poupanças até 13% para novos clientes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião