Presidente da CGD alerta para ‘tsunami’ de malparado com fim das moratórias

  • Lusa
  • 15 Março 2021

Depois de anos a limpar os balanços dos bancos, poderá haver “novamente um aumento dos NPL", avisou o presidente da CGD, Paulo Macedo.

O presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos, Paulo Macedo, alertou esta segunda-feira para a possibilidade de um ‘tsunami’ de crédito malparado com o fim das moratórias bancárias, caso não haja outros apoios aos setores mais afetados pela crise.

O gestor, que falou no ‘webinar’ Investimento, Digitalização e Financiamento Verde: O Caso Português”, organizado pelo Banco de Portugal (BdP) e pelo Banco Europeu de Investimento (BEI), alertou que, depois de anos a limpar os balanços, poderá haver “novamente um aumento dos NPL [‘non performing loans’, crédito malparado]”.

“Em Portugal, com o fim das moratórias temos de nos assegurar que as empresas certas são apoiadas para não ter um ‘tsunami’ de NPL”, referiu.

Paulo Macedo referia-se a setores como o turismo, que estão praticamente paralisados desde o início da pandemia e que diz necessitarem de um apoio adicional para conseguirem fazer face a estes encargos.

Ainda assim, o presidente da CGD destacou que as instituições bancárias desta vez “foram parte da solução, ao contrário do que aconteceu na crise anterior”, realçando que estavam preparados com capital e liquidez para fazer face à crise.

Uma das questões abordadas na conferência foi a facilidade de acesso ao financiamento, que muitas vezes atrasa o investimento em áreas em que a União Europeia (UE) quer apostar, como a digitalização e economia verde.

O BEI apresentou ainda os resultados das mais recentes edições do seu relatório anual sobre o investimento e do inquérito anual do BEI sobre o investimento na Europa e em Portugal, tendo concluído que “quase metade (47%) das empresas em Portugal preveem investir menos devido à covid-19”, lê-se numa nota publicada pelo BdP.

“Além disso, cerca de um terço abandonaram ou adiaram os planos de investimento devido à pandemia, menos do que a média da UE (35%), e quase um quarto (24%) das empresas esperam manter pelo menos alguns dos seus planos de investimento, mas com uma escala ou âmbito reduzidos, acima da média da UE (18%)”, segundo o mesmo comunicado.

Por outro lado, “cerca de metade de todas as empresas inovaram e desenvolveram ou introduziram novos produtos, processos ou serviços como parte das suas atividades de investimento, acima da média da UE (43%)” e 76% “afirmam que as alterações climáticas têm atualmente impacto nas suas atividades, muito acima da média da UE (58%)”, segundo o mesmo estudo.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Presidente da CGD alerta para ‘tsunami’ de malparado com fim das moratórias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião