Casimiro responde ao Governo e aceita “considerar” proposta de aumento de capital na Groundforce

Governo e TAP tinham proposto um aumento de capital com a emissão de ações a 10 euros cada, mas a Pasogal pede que seja usada uma avaliação feita em 2018 (com uma atualização).

O acionista privado Alfredo Casimiro já respondeu à proposta da TAP para um aumento de capital na Groundforce e diz aceitar “considerar” a possibilidade numa assembleia geral de acionistas. No entanto, pede que o valor por ação seja revisto face ao que tinha sido antecipado pelo acionista TAP.

“Estamos disponíveis para considerar a realização de um aumento do capital social da SPdH, reservado a acionistas, na modalidade de aumento de capital por novas entradas em dinheiro, com emissão de novas ações, a subscrever a um valor por ação baseado na avaliação da SPdH já feita em 2018 pela Sycomore Corporate Finance, avaliadora sugerida pela TAP SGPS e Portugália e aceite pela Pasogal, avaliação essa a adaptar em função dos impactos da Covid-19″, refere a carta assinada por Alfredo Casimiro e endereçada à TAP e Portugália, com cópia para o ministro Pedro Nuno Santos, a que o ECO teve acesso.

A proposta para uma operação de reforço dos capitais da Groundforce em 6,97 milhões de euros que pudesse resolver a falta de liquidez para pagar salários, fornecedores e impostos foi feita este domingo pela companhia aérea. Antes da resposta oficial, o dono da Pasogal (que detém 50,1% da empresa) já tinha admitido, ao ECO, a possibilidade de aumentar o capital da empresa de handling, mas sinalizou que poderia não o fazer nos termos propostos pelo outro acionista, a TAP (que detém diretamente 43,9% da Groundforce e indiretamente, através da Portugália, os restantes 6%).

Uma das alterações que Casimiro poderá pedir estará relacionada com o preço. A proposta do Governo é que seja feita a emissão de 697 mil novas ações com o valor nominal de 10 euros, num total de 6,97 milhões de euros. O dono da Pasogal pede que seja usada uma avaliação feita em 2018 como base para o preço, sendo feita uma atualização com o impacto da pandemia.

“Esse aumento de capital, a deliberar oportunamente em Assembleia Geral da SPdH, para cuja realização desde já abdicamos dos prazos e formalidades prévias de convocação, terá, naturalmente, como pressuposto a reunião das condições necessárias à preservação e continuidade da empresa, pois só dessa forma se poderá garantir, de forma sustentada, a manutenção dos 2.400 postos de trabalho da SPdH”, diz ainda a carta.

Casimiro rejeita ter escondido qualquer penhora

Não fica claro na missiva se Casimiro quer ou não acompanhar a operação. Se a operação avançar e o empresário não acompanhar, a TAP poderá passar a ser a maior acionista da Groundforce. Além do empresário é preciso que também a Comissão Europeia aprove esta operação já que a TAP está a receber apoio público.

O aumento de capital poderá ser a solução para os 2.400 trabalhadores da Groundforce que têm ainda parte dos salários em atraso. Ao longo das últimas passadas, o Governo e Casimiro estiverem a negociar um acordo de emergência para que a TAP fizesse um novo adiantamento de serviços, com o qual seriam pagos os salários.

Mas a companhia aérea pedia que o empresário desse a sua participação como garantia, o que não foi possível por já estar penhorada. A situação chegou então a um impasse na madrugada de domingo, dia de 8 março. Após um fim de semana de negociações, havia um contrato pronto a ser assinado, quando Alfredo Casimiro pediu alterações. No entanto, o dono da Pasogal rejeita agora, na mesma carta, ter escondido qualquer penhora.

Em momento algum anterior ao do envio para a TAP da versão revista do Contrato Promessa, pelas 1h48 do dia 8 de março, solicitando a alteração de redação acima referida, foi a Pasogal SGPS S.A. questionada sobre a existência ou não de penhores ou outros ónus sobre as ações que detém na SPdH”, diz, defendendo que essa existência que “não é, aliás, de forma alguma incompatível com a promessa de uma oneração futura e condicional dessas mesmas ações”.

(Notícia atualizada às 17h30)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Casimiro responde ao Governo e aceita “considerar” proposta de aumento de capital na Groundforce

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião